Lojas de roupas Adolescente

22/nov/2017 - Explore a pasta 'Roupas para adolescentes' de Daniele Tais Schroeder, seguida por 290 pessoas no Pinterest. Veja mais ideias sobre Roupas, Moda, Roupas para adolescentes. 21/set/2020 - Explore a pasta 'Roupas femininas para adolescentes' de Nádia ohara no Pinterest. Veja mais ideias sobre Roupas femininas para adolescentes, Roupas femininas, Roupas tumblr. 16/jun/2020 - Explore a pasta 'Roupas de menina adolescente' de juliaelenaluz no Pinterest. Veja mais ideias sobre Roupas, Roupas tumblr, Looks tumblrs. 25/nov/2019 - Explore a pasta 'Roupas da moda para adolescente' de Tassy_Angels_Ofc no Pinterest. Veja mais ideias sobre Roupas da moda, Roupas, Moda. 29/mar/2018 - Explore a pasta 'Roupas Adolescentes' de Sarah H de Souza Bueno no Pinterest. Veja mais ideias sobre Roupas, Moda infantil, Moda. Roupas Tumbler Moda Adolescente Roupas Da Moda Roupas Moda De Roupas Roupas Estilosas Roupas Tumblr Looks Casuais Femininos Roupas Fashion ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀↠ Espaço Valentina ↞ on Instagram: “Vem começar a semana aqui 🔥 • Short Jeans R$79,90 • Das 9h às 19h em todas as lojas 😍 . . ️ Enviamos para todo o Brasil…” Veja as roupas Adolescentes da Zazzle. Milhares de modelos, estilos e temas de camisetas, moletons, regatas, suéteres e mais. Encontre o seu estilo na Zazzle! Looks Vintage Femininos Looks Casuais Femininos Moda Adolescente Lojas De Roupas Tumblr Roupas Simples Verão Roupas Camufladas Femininas Roupas Amarelas Roupas Acessíveis Estilo De Roupa Feminina GM on Instagram: “Details 😍 📷 📍T-shirt 💰 25,00 reais avista. 📍Short 💰 70,00 reais avista. 📍Relógio 💰 30,00 reais avista. . 6/fev/2019 - Explore a pasta 'estilo adolescente' de Jennifer Santos no Pinterest. Veja mais ideias sobre Roupas tumblr, Roupas fashion, Roupas estilosas. A moda se reinventa a um ritmo mais rápido do que nunca. Com tantas opções de lojas, fica difícil de escolher uma só. E na matéria de hoje, vamos focar nas melhores lojas de roupas para adolescentes. Como quase todas as meninas, sempre tive o sonho de comemorar os 15 anos em Orlando com excursão. Pois bem, a viagem saiu do papel.

Ninguém Precisa Saber Capítulo 2

2020.04.10 08:37 Pomiwl Ninguém Precisa Saber Capítulo 2

II. MUITA COISA MUDOU
A luz da lua banhava, junto das milhares de estrelas que a acompanhavam numa imensidão negra, a copa das árvores da Floresta de Mouneet. Deslizando morro abaixo, por entre árvores e arbustos, uma vasta clareira expandia-se ao centro do local. Diana observava o céu — aquele grande poço de tinta escura, manchado apenas por pintas pontilhadas, com o tom de branco tão puro quanto as asas de um anjo. Algumas nuvens cinzentas voavam acima de sua cabeça, acompanhadas de corujas e corvos que encontravam seu caminho de volta para casa. Era a hora dos predadores atacarem. E, mesmo assim, parecia mais bela do que nunca. A garota tornou a folhear a caderneta que segurava em suas mãos. Apoiava suas costas em uma das pedras que espalhavam-se pela clareira, com tamanhos que variavam com constância. Não era confortável, afinal; mas era o que a natureza a disponibilizara no momento. Estava lá, sozinha, sem rumo, sem caminho. Sem qualquer guia, apenas as estrelas que indicavam o caminho ao distante norte. Ajeitou seus olhos com o dedo indicador, os deslizando por seu nariz até que estivesse na posição adequada, cobrindo suas sobrancelhas ruivas como o seu cabelo, vermelho como ferrugem ou como a chama ardente da pequena lareira que crepitava a sua frente. Esticou as pernas por debaixo do cobertor que carregara de sua barraca até o local, para que ficasse mais próxima de sua única fonte de luz e para que pudesse ler suas anotações antigas. Reluzindo a capa de couro negra, as indicações “este diário pertence a Diana Evolwood”, em auto-relevo. Ela inclinava sua cabeça levemente para frente para que pudesse ler o título de cada dia que passara em sua vida, onde registrara tudo que havia acontecido. Às vezes, gostava de relembrar o tempo quando ainda tinha alguma companhia além de Khan, seu fiel gato, que no momento descansava dentro da barraca. Passava os olhos sobre o título de cada dia do diário. “O dia em que fomos acampar”, “o dia em que fomos ao parque de diversões” eram algumas das diversas memórias que vinham a sua cabeça, vívidas como se houvessem acontecido no dia anterior, apesar dos diversos meses que haviam passado desde que tudo aconteceu. Continuava folheando até que deparou-se com uma página em branco, apenas com um largo título no topo da página amarelada. “O dia em que tudo acabou” diziam as letras marcadas por uma tinta preta que manchou levemente o papel. Rapidamente, tornou-se insegura, como se tivesse sido emergida em pura tensão e horror repentinas, seguidos de alguns soluços breves. Por algum motivo, mesmo relembrando todos os dias daquela vazia página, não esperava a encontrar folheando aleatoriamente a caderneta em busca de algumas memórias agradáveis que a fizesse se sentir um pouco mais segura. O coração da jovem acelerou, e ainda mais lembranças vieram à tona. Dessa vez, não era aquele mesmo bom sentimento de nostalgia ou conforto. Era dor. Dor, angústia e desespero. Seus olhos arregalaram-se e, por mais que tentasse lutar contra aqueles pensamentos, não pôde evitar que algumas lágrimas se acumulassem por detrás de seus óculos. Diana encolheu-se, deixando a caderneta cair no chão, levantando uma poeira momentânea e provocando um curto ruído — o suficiente para despertar Khan, que levantou sua cabeça dentro da barraca. Ao menos, era o que sua silhueta através do tecido da tenda mostrava. Lembrou-se do conselho que recebera há algum tempo. “Deve lutar contra seus traumas, mesmo que pensar neles já seja doloroso.” Inspirando um pouco de ar pelo nariz e fungando, recolheu as lágrimas e ergueu novamente seu corpo contra a pedra. Este era o motivo pelo qual estava lá. Não poderia deixar que tudo fosse em vão. Olhou para o céu novamente, que não havia mudado nem por um instante. Qual era o propósito daquilo tudo? Uma garota de sua idade deveria estar na escola, como qualquer outra adolescente. A escuridão costumava a assustar, mas, após conviver com ela por tanto tempo, passou a se sentir segura emergida em um poço sem fundo, onde nada podia ver além de um abismo de incerteza. Este era seu futuro. “Um abismo de incerteza”. Recuperando seu fôlego, pegou seu diário e limpou sua capa de couro com a outra mão. Agora, era sua mão que estava coberta de poeira. Deixando apenas uma única lágrima cair sobre a folha, leu em voz alta um anexo preso à página — uma passagem de jornal, que exibia a imagem de um garoto que se parecia muito com a própria Diana. — “O desaparecimento de Max Evolwood”. Sua voz estava ainda mais rouca do que antes, e suas pálpebras quase caíram sobre os olhos do peso de várias noites mal dormidas que carregavam. Fitou a clareira onde se encontrava. Assegurou-se de que estavam completamente sozinhos. Catou o primeiro graveto que viu a sua frente e jogou sobre o fogo, fazendo com que resquícios de brasas passadas voassem ao alto por um instante e, em pouco tempo, irrompeu-se em chamas, bem como as demais lenhas. Ajoelhou-se na terra, guiando seu corpo pelos seus braços, que encontraram o zíper que fechava a entrada da barraca. Abriu-o, deixando a claridade da lareira invadir o local, que estava bem mais quente do que o lado de fora. Khan estava lá, encolhido, mas ela mal prestou atenção em seu amigo. Carregando seu cobertor que arrastava-se completamente pelo chão, acumulando certa quantidade de poeira e sujeira — fato com o qual ela não parecia se importar — em sua ponta. Levava a caderneta abaixo de seu braço, coberto por inteiro por uma blusa de manga comprida com um delicado tom de escarlate, roupa que já usava há dias desde que havia deixado Lyrion. O teto da barraca era baixo, fazendo com que ela não pudesse se estabelecer de forma tão confortável mas, definitivamente, era bem melhor do que dormir lá fora. O tecido da tenda era esverdeado, camuflando-se entre as cores da floresta. Quando deitava no chão, podia sentir a grama e as pedras espetando seu corpo, logo abaixo daquela fajuta camada de pano. Mas, mesmo assim, o sono da garota era tanto que ela simplesmente repousou a cabeça sobre um amontoado de roupas velhas — que improvisaram como sendo um travesseiro — e fechou seus olhos, mergulhando em um sono profundo.
As luzes da sirene policial brilhavam sobre a parede branca da sua sala, irrompendo pela larga janela de sua casa com força. Diana havia acabado de acordar — o poderoso som provocado pela viatura parecia não ter perturbado somente à ela, mas a todo o bairro, que se reuniu na frente de sua cara para saber o que houve. Mas, a primeira coisa que notou quando abriu seus olhos foi a cama de Max, seu irmão, estava completamente vazia — os lençóis bagunçados, bem como os travesseiros brancos. A partir daí, já tinha um mal pressentimento sobre o que veria a seguir. Seguiu com os pés descalços até o corredor, provocando um irritante ruído quando abriu a porta. Ainda não estava completamente dispersa, esfregando os olhos com o punho fechado e bocejando. Passou por duas portas — o banheiro e o quarto de seus pais. Caminhou em direção à sala. À medida que se aproximava, começou a escutar algumas palavras soltas, interrompidas por soluços vindos de outra pessoa — sua mãe. — Nós daremos o máximo para encontrarmos Max, mas não garantimos nada — comentou um homem desconhecido, vestido com trajes policiais. Se deparou com dois homens que nunca havia visto na vida sentados nas poltronas da sala de estar, enquanto seus pais estavam sentados no divã. Rachel cobria seu rosto, com os cotovelos apoiados sobre as coxas, deixando escorrer lágrimas por seu antebraço. Ed a consolava, passando a mão por seu pescoço, mas também aparentava estar extremamente preocupado. — Acho melhor darmos um tempo para vocês conversarem. Continuaremos com as perguntas depois — finalizou, suspirando ao perceber a presença de Diana que, apesar de não saber exatamente o que acontecia, tinha suas suspeitas. Rachel levantou o rosto. Seu rosto estava inchado e vermelho, com lágrimas queimando em sua face. Estava claramente fraca, os olhos profundos de uma noite mal dormida. Parecia estar prestes a desmaiar a qualquer instante. Diana nunca havia visto sua mãe desta forma. Ela ainda utilizava seu pijama, molhado por pequenos pontos mais escuros que destacavam-se sobre sua blusa branca. Estava trêmula. Ed parecia tentar disfarçar seu choro, piscando frequentemente para livrar-se de suas lágrimas. Diana nunca entendeu, já que a sua vida inteira foi ensinada que você sempre deve demonstrar seus sentimentos, e que guardar tudo para você te faz mal. De uma forma ou de outra, também estava claro o quão preocupado estava. — Ah, minha filha... Mal conseguiu completar sua frase. O piso da sala, gelado, cobria o corpo da garota como um balde de água fria derramado sobre seus cabelos castanhos. Em pouco tempo, já soube o que havia acontecido. Sentiu como se seu coração parasse e saltasse pela sua boca, talvez em busca de um lugar distante onde não precisasse encarar o que estava por vir. E aquelas mesmas palavras ressoaram à sua cabeça, como um eco distante vindo do fundo dos seus pensamentos, claras como um trauma que carregava, e obscuras como o medo e a desconfiança que sentiu naquele mesmo instante, quando viu a boca de sua mãe repetir lentamente, tremendo os lábios: — Max está desaparecido. Em seguida, desabou-se sobre os braços do marido, que a reconfortou. Rachel, depois de gritar sem êxito por ter sua voz abafada por suas próprias mãos, levantou seu rosto contra a garota novamente. Porém, não era tristeza que expressava. Era raiva. Suas sobrancelhas franzidas e seus dentes cerravam denunciavam suas emoções. — Como pôde deixar que isso acontecesse, Diana? Max era seu irmão. Como não pôde o proteger? — disse ela, a ponto de berrar a qualquer instante. Seu rosto estava vermelho como um tomate. — Diana, como é imprestável. Seu próprio irmão... como pôde deixar que isso acontecesse? Você é a culpada aqui. Você falhou. — completou seu pai, que também a encarava subitamente, com os olhos sedentos. — M-Mas, eu... — ela estava confusa. O que estava acontecendo? Como poderia ser sua culpa? Sua mente carregou-se com um turbilhão de emoções em instantes. Ela havia... falhado? — Sem “mas”, garotinha. Você já tem idade o suficiente para ter consciência sobre seus atos. Você foi inútil. Não conseguiu fazer nada para salvá-lo. Max confiava em você, e agora? Está provavelmente morto. Você sabe que está errada, não ouse negar sua culpa. — se intrometeu o policial, tendo uma estranha energia, como se ele já a conhecesse. Levou a mão direita ao olho direito. Uma lágrima escorria pela sua face. Elevou sua mão esquerda ao olho esquerdo. Uma gota de sangue escarlate vazava de sua bochecha. Era como se uma entidade mexesse com a cabeça de todos ao mesmo tempo. Levantaram-se e foram-se em sua direção, esbanjando a mesma cara séria e de olhos arregalados, como num filme de terror. Se aproximavam lentamente, repetindo críticas ao comportamento de Diana em um tom aterrorizante, como se fossem a atacar. A cada passo que davam em sua direção, a encurralando contra a parede, o ritmo de seu coração também aumentava. Seus olhos demoravam a abrir novamente quando piscava. Não havia caminho. De repente, sentiu algo como um arranhão em sua face, seguido por um forte miado em seu ouvido. Piscou, mas não acordara dentro da sala de sua casa. Ainda estava dentro da barraca, e Khan cutucava seu rosto para que acordasse. Ela resmungou algo sobre ainda estar dormindo, mas ainda assim levantou-se.
Muita coisa havia mudado desde que saíram de Lyrion após a declaração da situação de extremo risco que sofria. Os feixes da luz do sol atravessavam o tecido da barraca. Sentiu o calor irradiar seu rosto em instantes. Seus olhos arderam com a brusca diferença de luminosidade. Catou sua caderneta antes de sair e começou a rabiscar o papel, formando alguns garranchos que, se apertasse bem os olhos, seriam legíveis. Sentiu o cheiro da tinta fresca da caneta quando começou a escrever. “Olá. Faz um tempo desde que não nos falamos, não é? Eu sei que eu meio que te abandonei, mas é que as coisas estiveram me ocupando bastante desde que a gente veio pra cá. Vou tentar te atualizar de tudo que rolou desde então. Depois daquela tarde em que nós colocamos o rádio para funcionar pela primeira vez, nós começamos a arrumar umas malas (aparentemente, não coloquei roupas o suficiente, já que to usando a mesma roupa há alguns dias). No dia seguinte, nós fomos em uma loja no centro da cidade que costumava vender equipamentos para acampar. Espero que me perdoe, mãe, mas nós meio que levamos algumas coisas sem pagar. Era uma situação de vida ou morte, tá legal? Um azar que eu não peguei uma daquelas barracas super chiques com espaço para oito pessoas. A essa altura, a que pegamos já tá toda rasgada. Triste. Nós decidimos vir para a Floresta de Mouneet, onde a gente costumava vir para passar alguns finais de semana. Era legal. Estamos estabelecidos nessa clareira há alguns dias. O alimento ainda tá meio longe de acabar, mas nós já estamos providenciando mais. Lembro de algumas frutinhas comestíveis que nós provávamos quando vínhamos acampar. Bons momentos.” A partir daí, sua caneta começou a falhar. Pegou a caderneta e a arremessou de volta para dentro da barraca. Estava mal-humorada. Calçou suas botas jogadas ao canto. Seu couro estava quase mofado e seu interior estava úmido — mas era melhor do que nada. Estava partindo em direção a um lago próximo da clareira, onde poderiam fazer sua higiene pessoal. Não negava que era uma situação completamente diferente de qualquer outra que já esteve. Era garota criada em apartamento, vida perfeita, família feliz. Mas estava disposta a fazer qualquer coisa se seu irmão dependesse de si. E era nessa situação em se encontrava. Então, enquanto não encontrasse seu irmão... Continuaria escovando seus dentes com a água do lago. Khan a seguiu, adentrando o mato. Suas patas estavam cobertas por uma mistura de lama com folhas secas. Era nojento. Cada vez mais, se aproximavam da grande concentração de água. O ar que respiravam era diferente do da cidade — era puro, leve, como se fosse libertador. Além das árvores, já podia ver o grande espelho d’água refletindo a margem do lago. Um milagre da natureza, de beleza indescritível. Uma família de patos cambaleavam até a borda, preparando-se para molharem suas penas. A mãe ia na frente, enquanto os sete pequenininhos oscilavam seus passos em uma fila. Era de longe a coisa mais bonita que já havia presenciado. Estampava essa emoção com sua boca aberta, mas ainda mostrando os dentes, sorrindo. Porém, algo lhe chamou a atenção. Algo se mexia por detrás dos arbustos, da onde saíam guinchos e choros. O barulho a causou comoção, que procurou saber da onde vinha. — Khan! Tá ouvindo isso? — ela deu um breve silêncio para que pudesse ouvir melhor. O som do vento chacoalhando os galhos das árvores a trouxe paz. O choro se repetiu. — Vamos! O gato pulou em meio ao amontoado de plantas e raízes, abrindo um rombo entre as folhas com suas garras. Diana impressionou-se com sua capacidade. Em meio às folhas caídas, surgiu o oitavo patinho perdido, que continuou a chorar. Algumas gotas de chuva começaram a cair contra o chão, levantando a lama que repousava, endurecida, sob seus pés. Seu coração se amoleceu ao ver que tinha sua pata presa à uma das raízes da planta, que parecia o machucar com força a cada movimento que fazia. Ele a encarava como se implorasse por socorro, mas ainda assustado com a presença dos dois. As gotas de água começaram a se tornar cada vez mais frequentes. — Ah, coitadinho... — ela acariciou sua cabeça com o dedo indicador, sentindo as penas amarelas como a gema do ovo em suas mãos. Seu bico achatado e rosado abria uma hora ou outra para continuar guinchando de dor. — calma, calma. Khan, você não pode cortar a raiz com sua garra. Vai acabar machucando ele. Vem, fica aqui bem atrás de mim. Eu tenho algo melhor para ajudá-lo. Do seu bolso de trás, catou a caneta que esquecera de jogar de volta à barraca quando começou a falhar. Com cuidado, a encravou entre a raiz e a patinha do animal, e começou a puxá-la para trás, lentamente rompendo as fibras. Finalmente, a raiz se partiu no meio, lançando uma seiva amarelada para toda a parte e quebrando o acrílico da caneta. Agora sim precisaria de uma nova. Sua camisa estava completamente ensopada e pesada, enquanto os pelos de Khan estavam caídos com a água. Ela catou o filhote em seus braços, o confortando e envolvendo seu machucado com uma parte de sua blusa para estancar um pequeno sangramento que se surgiu. Tomando cuidado com seus passos, o carregou até perto da sua mãe, que parecia mesmo procurar por algo enquanto os filhotes de refrescavam na água. Ela grasnou e chorou, até que Diana adentrou a clareira que cercava o lago, com Khan colado à sua perna. Um forte vento acompanhou as gotas de chuva, que começaram a atingi-los quase que na horizontal. Pelo amontoado de árvores e arbustos, pode ver além da clareira sua barraca, que chacoalhava fortemente. O pequeno pato alegrou-se em ver sua mãe. Com seu pequeno conhecimento sobre a lógica animal, não se aproximou da mãe, pois poderia a encarar como uma ameaça; apenas o deixou ao chão e, derrapando por não conseguir utilizar uma de suas pernas, voltou para sua família. — Sabe, Khan... — ela finalmente desviou o olhar do grupo de animais, que continuavam a se banhar no lago, felizes — acho que eu gosto de ajudar as pessoas. Nesse pequeno tempo... eu não pensei em Max, ou em meus pais em momento algum. Eu costumava só me preocupar com isso. Eu até sonhei com eles. Mas, eu não me sinto preocupada, ao mesmo tempo que eu acho que deveria estar, e... O companheiro olhava diretamente em seus olhos. Ele, geralmente, não gostava de estar sujo, mas não parecia se incomodar nem um pouco naquele momento. — Acho que é isso. — O olhar de Khan demonstrava sua confusão, mas ao mesmo tempo uma leve curiosidade. — É isso que eu quero fazer. Ajudar as pessoas. Ele abriu um longo sorriso e ronronou. — Mas... é hora de voltar à realidade. Olhando em volta, ela podia ver um pedaço danificado da barraca, carregado e destruída pela chuva. Ela se aproximou e segurou o grande pedaço de lona rasgada e suja de lama, presa a um grande tronco de árvore, cortado pela metade. O tecido era azul, e se desfazia quando Diana esfregava seus dedos entre o pano. Agarrado a ele, sua caderneta, completamente ensopada e suja. Pelo menos, isso conseguiu ser salvo. — Acho que teremos de achar outro lugar para dormir... Ela continuava examinando os pedaços arrancados da barraca, enquanto o pequeno gato olhava à sua volta. Tentou livrar-se com sua pata de algumas folhas que grudaram-se ao seu corpo com a aderência da lama já seca, que permanecia endurecendo seu pelo, cinza como as nuvens que pairavam o céu, e que ainda descarregavam uma massiva quantidade de água. Caminhou ao redor, desviando de pequenas plantas que nasciam por entre a terra, constantemente recebendo umidade daquele clima extremamente chuvoso. Subiu em uma grande pedra, que se alongava até as proximidades do lago. Já em sua ponta dura e afiada, Khan avistou, do outro lado do grande espelho d’água, uma pequena casa de madeira, iluminada pelo sol que ainda escalava dificilmente o céu, erguendo seu brilho em direção ao meio-dia. Parecia um lugar caloroso na percepção limitada do gato. Diana, acompanhando o amigo com o olhar, enxergou também a casa, onde poderiam pedir abrigo. Ela se sentou. Suas pernas ainda estavam cansadas e em constante dor. Seu coração permanecia acelerado. A menina observou o chão, onde algumas flores pareciam sofrer as reações do fim do outono e a chegada do inverno. Era uma rosa — um pouco desbotada, mas era como um símbolo de resistência. Ela arrancou a flor da terra, tomando cuidado para não se furar com os espinhos — ela deslizou para fora da lama lubrificada sem insistência. Ergueu suas pétalas. Seu rosto ficou lívido quando percebeu um pequeno detalhe, que a fez largar a rosa no chão — ela rapidamente se desfez em poeira. O caule estava cinzento. — Khan... — ela se afastou o mais rápido que pôde da flor que, no momento que tocou o chão, fez com que a pouca grama à sua volta também se tornasse cinzenta e podre. O forte cheiro de estrume também incomodou o olfato de Diana. — precisamos ir... rápido! O felino saltou do topo da grande pedra até o chão, caindo de pé. Parecia confuso, mas não hesitava em seguir sua fiel companheira. Deixou todos os seus pertences para trás, conseguindo levar consigo apenas sua caderneta, em que registrava cada dia que passava. Suas pegadas foram deixadas pela última vez naquela lama, que nunca mais seria tocada por uma alma viva. Estava trêmula, assustada. Em um segundo, todos os seus sentimentos de preocupação e ansiedade voltaram ao seu corpo, um por um. A assassina havia os alcançado.
submitted by Pomiwl to NinguemPrecisaSaber [link] [comments]


2020.01.07 03:41 O-stinat-o Uma palavra amiga

Indo um pouco contra a maré, mas não contra o propósito deste subreddit, gostaria de desabafar um pouco sobre os dois últimos anos da minha vida e tbm compartilhar um pouco da esperança e da motivação que tenho sentindo nos últimos dias.
Desde o ensino médio, eu sempre tive o sonho de cursar composição em música. Meu grande sonho era compor musica para videogame, minhas duas grande paixões. Estudei muito para o Enem e consegui passar para um faculdade pública no sul do país, sendo que eu morava (e moro) no sudeste. A distancia é mais ou menos de 2200km.
Então, em 2018, tive que me mudar para lá e fiquei morando na casa de um conhecido do meu pai e é claro, meu pai pagava minha estadia lá (juntando o aluguel com alimentação e transporte dava mais ou menos uns R$1000 ) Como ele viaja muito, eu passava a maior parte do tempo na faculdade ou sozinho em casa, com meu laptop (que foi comprado lá) e o gato da casa, a coisa mais fofa e meiga que eu já tive o prazer de conviver.
A faculdade foi fantástica. Aprendi muito com professores fodas, experimentei muito e compus várias coisas legais. Mas não é só de estudos que um adolescente de 18 anos vive na faculdade certo? Bem, infelizmente eu nunca pude ir numa festa na faculdade, já que, apesar da distância, meu pai controlava muito minha vida. Isso é algo que eu me arrependo demais, não ter ido numa festa, saido para beber. É claro, eu saia com meus amigos no tempo livre (na medida do possível) mas não era a mesma coisa.
Por falar em amigos, conheci pessoas fantásticas no tempo que reside lá. De verdade, as melhores que conheci até hj. E puxando agora para a vida amorosa, como eu perdi o bv no intervalo da conclusão do ensino médio até o início da faculdade, eu fiquei bem receoso se eu conseguiria ficar com alguém, se alguém teria interesse em mim.
Mas não demorou muito para eu ficar com uma guria super legal lá, apesar das coisas não terem ido para frente. Gosto bastante dela até hj e a respeito e admiro demais.
Bem, tudo lindo e maravilhoso até agora certo? Bem, fui para minha casa ao final do segundo semestre para passar o tempo com minha família no período de férias. Faltando algumas semanas para o início do terceiro semestre, mandei uma mensagem para o dono da casa perguntando se estava tudo certo... E aí a merda aconteceu.
Ele tinha se mudado para um cidade vizinha por causa de "uns problemas". Eu agora ou teria que pagar uma despesa bem maior com a casa dele, incluindo internet, água e energia, oque não dava para meu pai custear, já que eu não tinha conseguido um emprego nesse meio tempo.
Bem, já que eu não tinha como voltar, decidi trancar a minha matrícula e pedi que ele enviasse minhas coisas de volta. É claro, pagaríamos o custo dos correios e quaisquer eventuais burocracias governamentais. Adivinha? Como ele estava em outra cidade, ele exigiu que pagasse alem dos correios, o gasto com gasolina dele, oque daria mais um R$300 brincando.
O filha da puta irresponsavelmente deixa a cidade sem nos avisar (como dito anteriormente, somente quando mandei uma mensagem perguntando se estava tudo certo ele tocou no assunto) e sem enviar minhas coisas de volta! Pelo amor de Deus! Pagaríamos pelos correios! Pagaríamos! Minhas roupas, livros, caderno e o caralho estão lá até hoje para vocês terem uma noção. Isso vai fazer 1 ano.
Resultado: Entrei numa depressão profunda. Todas as outras faculdade de composição são tão ou mais longes que a que eu frequentava. Me convenci de que eu não conseguiria realizar meu sonho de estudar composição. Me senti um lixo por meses. Dormia tarde, acordava tarde, não fazia nada o dia inteiro, apenas definhava com o passar das hora.



Mas as coisas começaram a mudar. Começaram a mudar quando eu consegui meu primeiro emprego.
Passei meses entregando curriculum em diversos lugares: lojas, lanchonetes, restaurantes, pizzarias, supermercados... Mas com "2 semestres cursados em música - composição'' não ajudavam muito... Até que finalmente, eu consegui meu primeiro emprego!

Estavam contratando pessoal extra para o período de black Friday, trabalhei durante 18 dias como caixa na loja e cara... Que experiência foda. Conheci gente muito legal lá e sou grato até hoje por esse emprego. Nos intervalos, eu aproveitava e estudava para uma prova para o Instituto Federal aqui da minha cidade, Já que se eu passa-se, ao menos eu estaria fazendo algo e não estaria parado. Estava concorrendo para a área de informática.
E minha rotina era essa: Trabalhar, estudar nos intervalos e dormir. Dica de amigo: Um rotina bem estruturada muda sua vida para melhor, e como muda!
Logo após o fim do contrato, comecei a trabalhar como um garçom numa hamburgueria e cara... Que emprego de merda. Eu trabalhava 9 horas direto sem folga e sem carteira assinada (diferente do emprego anterior)... Foi um período estressante para um caramba.
No período que eu trabalhei lá, a loja que tinha me contratado anteriormente me chamou para outro contrato temporário, desta vez maior. Eu ia ganhar BEM MAIS do que eu estava ganhando no momento, mas como eu não queria deixar meu chefe atual na mão, eu recusei e agradeci a oferta. Bem, no final eu que fui deixado na mão.
Com a notícia de que eu tinha passado na prova (em segundo lugar!) eu avisei meu chefe sobre, já que dentro de uns dois meses estaria começando as aulas e queria dar tempo dele se preparar. Não deram 3 dias e eu fui mandado embora, no meio do meu expediente.
Mas sendo bem sincero, me senti aliviado e extremamente feliz. Eu não gostava do emprego e não ganhava o suficiente para poder suportá-lo. Cheguei em casa feliz da vida contando a novidade para meu pai que é claro, não gostou da atitude do meu chefe.
Para comemorar eu fui para a casa de um amigo meu que estava tendo uma resenha com nossos amigos e FINALMENTE eu consegui convencer meu pai a dormir fora. E NUNCA tinha dormido na casa de um amigo antes. Que puta conquista foda minha.
Muitas coisas aconteceram depois, como o réveillon que passei na praia com o mesmo grupo de amigos e tal. Mas o mais importante que eu quero que você entenda: Podendo agora voltar a estudar numa área que tenho interesse, estou com a motivação a mil! Vou dar o máximo de mim para aprender, arranjar um emprego, quem sabe uma namorada, não me envolvi com ninguém emocionalmente ou sexualmente durante o ano passado todo, já que eu não saia de casa e não tinha como conhecer gente nova, e é claro: melhorar quem eu sou.
Nos últimos meses eu restaurei uma antiga paixão de infância: ler. Tenho lido muito e todos os dias. Com esse poder em mãos, o conhecimento, sinto que poderei me libertar aos poucos de meus vícios e melhorar como ser humano, já que a angústia e ressentimento dominaram boa parte do meu Ser no ano passado...
Sei que é clichê, mas ano novo, vida nova.
Obrigado por ler até aqui pessoa, espero que encontre um feixe de luz que guie-o para a virtude, assim como eu o fiz e faço.
submitted by O-stinat-o to desabafos [link] [comments]


2019.07.27 18:56 ankallima_ellen As Aventuras de Gabi nas Terras do Estrogênio – Trigésima Oitava Semana

Crescer no gênero errado nos priva de inúmeras experiências definidoras. Muitas das quais só percebemos a ausência quando começamos a refletir sobre todas as problemáticas que nos levaram ao caminho da transição. As inadequações. As pequenas ojerizas aparentemente desmotivadas. Uma delas, que agora me recordo surgir na adolescência, era a de comprar roupas. Ao mesmo tempo que a perspectiva de algumas décadas nos rouba alguns detalhes, ela também permite que enxerguemos mais claramente o que realmente importa.

Fato é que, quando criança, adorava comprar roupas. Lembro nitidamente da minha felicidade ao correr juntamente com meu irmão por entre as araras de um depósito da loja dos arenques cruzados. Nessa época, em que tal marca ainda era verdadeiramente popular, podíamos fazer bonança com pouco. Contudo, essa felicidade sumiu de maneira tão violenta que ofuscou e enterrou quase qualquer boa lembrança. Não me recordo exatamente quando, apenas que tal atividade tornou-se cada vez mais penosa até o ponto que passei a comprar roupas apenas para não andar pelada. Acho que à época não percebia que, a medida que meu corpo não mudava da maneira que deveria, mais e mais tentava escondê-lo sob roupas cada vez mais largas.

E dessa forma, sem perceber, perdi a oportunidade de fazer compras com a minha mãe. Descobrir o meu estilo. O que gostava e o que funcionava no meu corpo com o respaldo dos olhares orgulhosos de uma mãe que vê a filha adolescente desabrochar. Não que ela não estivesse mais presente. Era eu quem não estava. Esse vazio se fez nítido e sufocantemente real apenas no ano passado, quando veio me visitar. Já caminhava timidamente a árdua trilha da transição, ainda às escondidas dela. Não sabia se nossa relação sobreviveria a tal revelação. Temendo pelo pior, queria saborear todos aqueles possíveis últimos momentos da fugaz certeza de ter uma mãe. Vê-la experimentando roupas que apenas podia desejar na segurança de meus devaneios corroeu-me por dentro. Tão perto e ao mesmo tempo tão distante. Ter que dizer não para a camiseta de super-herói que ela queria me presentear, pois não podia escolher o corte feminino sem me denunciar. O que era para ser meus últimos vislumbres de felicidade familiar, foi um verdadeiro pesadelo.

Esse ano tive minha redenção. Pude finalmente fazer o que toda garota de doze anos toma como certo. Corriqueiro. Trivial. Explorei minha vaidade inúmeras vezes ao longo dessa semana em sua companhia. Agora, não só de corpo presente. Era eu mesma quem estava lá. Livre para experimentar o que eu quisesse de vestidos a saias, de calças a blusas com os mais diversos cortes. Peças que finalmente valorizassem minhas curvas. Não ganhei apenas o vestido que ela me ajudou a escolher, colecionei experiências que me faltavam. Discutir que calcinha ou sutiã é mais confortável. Garimpar bijuterias. Testar maquiagem. Passear despropositalmente namorando roupas e falando futilidades. Banalidades imbuídas de um significado destilado por décadas de repressão.

Beijos e uma excelente semana a todos!!!

Gabi <3
submitted by ankallima_ellen to transbr [link] [comments]


2018.12.14 16:10 MarshKun Pai Trans #1 - Roupas

Oi gente.
Vocês devem estar se perguntando o que diabos é isso de pai trans. Bom, esse é um projeto que eu estou trazendo para vocês.
Eu percebi que tem algumas coisas que eu nunca aprendi com meu pai, como por exemplo como me barbear, me vestir, como me portar e alguns conselhos sobre a vida, e etc que eu sempre quis aprender com ele, mas nunca tive a oportunidade.
Então eu pensei: Eu posso ser o pai trans de alguém. Ensinar todas essas dicas, essas coisas que eu tive que aprender com os anos sobre como me portar, como me vestir e como fazer algumas coisas que eu nunca tinha feito antes, para vocês. Eu espero que vocês gostem dessa série que vai ser provavelmente quinzenal ou semanal, dependendo do tamanho dos posts.
Atenção: Para quem é mulher trans, fique tranquila! Eu estou olhando com as maravilhosas mulheres trans do transbr para a gente conseguir fazer o Mãe Trans, então fiquem ligadas que logo logo a gente lança uma edição para vocês.
Mas enfim, hoje eu quero tentar ajudar vocês que são homens trans a se vestir melhor com algumas dicas que eu aprendi durante o caminho da minha transição. Tenham em mente que em relação a roupas eu sou um cara bem… Careta, digamos assim. Eu uso normalmente muita roupa social, então o meu estilo pode não ser o mesmo que o seu, e por isso, qualquer outra dica deixada nos comentários vai ser massa para que a gente possa atingir a maior quantidade de estilos e dicas possíveis.
Além disso eu vou em cada post alguns links úteis para que vocês possam fazer a pesquisa por si próprios e achar o estilo que mais se alinha com você. Então vamos lá!

Calças:

Caso você ainda não tenha começado o tratamento com a testosterona, prefira pegar calça de irmão, de pai, de amigo, etc, por que a sua gordura corporal (que eu vou chamar de GC por que eu vou falar muito esse termo aqui) vai mudar com o uso da testosterona, e pode ser que as calças não caibam mais em você ou simplesmente não tenham um caimento tão legal assim depois que você já estiver mudado.
Caso você não possa pegar as calças de outras pessoas, ou simplesmente não quer passar pelo tratamento hormonal, compre uma calça mais quadrada, por que elas deixam as suas pernas mais longas e disfarçam as curvas do corpo. Calças retas também são uma boa pedida, por que elas dão a impressão de emagrecer a pessoa, ou seja, elas retiram muito algumas curvas que você possa ter. Existem vários outros tipos de calças, e vale a pena olhar qual fica melhor com você.
Depois da mudança na GC os mesmos conselhos se aplicam, mas agora você pode ousar um pouco mais usando uma calça menos quadrada, se se sentir confortável.
Independente do seu estágio de transição ou não, prefira cores mais escuras, sóbrias. Azul marinho, bonina, verde escuro, etc. Cores muito chamativas e claras normalmente não são muito usadas, e quando são, são usadas com extrema moderação, normalmente num par com camisas escuras e pouco chamativas. A calça não tem que combinar com a camisa, tem que complementar ela, tenha isso em mente.

Camisas:

Independente se você tiver feito a mastectomia ou não, você vai ter um pouco de peito(ral), a questão aqui é como trabalhar com isso para obter um look mais reto e condizente com o resto do seu corpo, sem falar que você tem que ficar bonito, né?
Primeiramente quero falar com você sobre a maravilha da humanidade chamada brechó. Lá você encontra camisas sociais, blusas e muito mais em média por dez e vinte reais, e depois é só ir na costureira (ou entregar pra sua avô caso ela seja legal e saiba costurar) e pedir para ela costurar para o seu tamanho, o que em média fica de 20 a 40 reais. É muito mais barato que sair por aí comprando camisa de 110 reais, e vai ficar muito melhor por que vai ser feito pra você.
Só se atente a uma dica crucial: Você pode levar na costureira roupas alguns números maiores que os seus (ou fazer como eu e roubar as camisas sociais que meu pai não usa mais), e iguais ao seu número, mas nunca menores que o seu número por que a costureira não vai conseguir tirar tecido do nada para aumentar a roupa para você, ok?
Bom, para quem não está usando binder ainda, uma dica é fazer sobreposições. Colocar uma roupa por cima da outra, como por exemplo, uma blusa mais larga (mas não larga demais para não dar a impressão de desleixado) com uma camisa xadrez por cima.
Usar cores mais sóbrias também sempre é uma boa. Evite camisas apertadas e tente melhorar a postura. A gente acha que ficando mais corcunda vai ajudar a esconder os peitos, mas na real, isso só prejudica a sua saúde a longo prazo.
Mas e se você já usa binder? Eu usava o da Underworks e ele é extremamente confortável, posso indicar sem medo pra vocês. Mas se o dólar estiver caro demais e você for comprar um binder nacional ou vá você mesmo fazer um, tenha em mente algumas coisas:
ᴾˢˢᵗ: ᴺᵃ ʷᶦᵏᶦ ᵈᵒ ˢᵘᵇ ᵗᵉᵐ ᵐᵃᶦˢ ᵃˡᵍᵘⁿˢ ˡᶦⁿᵏˢ ᵈᵉ ᵇᶦⁿᵈᵉʳˢ ᵉ ᵐᵘᶦᵗᵒ ᵐᵃᶦˢ ᶜᵒᶦˢᵃ
Já que tiramos essas coisas do caminho, posso voltar a falar das camisas. Bom, supondo que você ja esteja usando T e a sua GC já tenha se realocado, você pode usar algo um pouco mais grudado. Supondo que a sua postura esteja melhor, camisas slim ficam sensacionais nesse estágio, por que elas ajudam a esculpir o seu corpo de uma maneira mais quadrada e você parece mais forte e imponente.
Evite usar estampas demais, elas dão uma impressão meio adolescente (a não ser que você seja um adolescente), prefira camisas sem estampas e com cores solidas, por que elas são super versáteis e podem ser usadas com praticamente tudo.

Sapatos e meias:

Em relação a sapatos as dicas continuam as mesmas de todo o resto. Evite cores vibrantes, e se for usar, use com moderação, e balanceando com as cores do resto do seu look. Tem um artigo sobre os tipos diferentes de sapato aqui.
Sobre meias, tem um ótimo artigo falando como usar elas aqui. Mas em suma eu diria para evitar usar meias brancas, com exceção de quando for fazer algum exercício, por que elas servem para isso, e para nada mais. Se eu ver algum homem trans usando bermuda com sapatênis e meia branca aparecendo eu vou ter um treco aqui, hein!
Pra finalizar as coias, quero te dar uma dica simples. Não tenha medo de inovar, de procurar estilos novos que possam ficar bons em você, ou que nem fiquem tão bons assim. Procure provar tudo que você puder, por que geralmente a gente tem que refazer nosso armário todo, então é sensacional poder criar algo do zero, algo que fique bom em você e reflita quem você é.
____________________________________________________________________________
Eu vou falar mais sobre roupas e vou dar algumas dicas mais específicas sobre se vestir (como fazer um nó de gravata, dicas sobre dobrar as mangas da camisa, como usar um terno, estilos diferentes e mais específicos, tipos de colarinho, acessórios, chapéus e etc) num próximo post se vocês quiserem mais deles. Além de falar de muitas outras coisas mesmo. Se alguém tiver alguma dúvida, pergunte nos comentários que eu vou tentar responder com a melhor das minhas habilidades.
Enfim, valeu por ter lido até aqui, e se essa serie continuar, te vejo na próxima!
submitted by MarshKun to transbr [link] [comments]


2018.12.02 02:05 SixthDoctorsArse Onde que compra roupa pra anão triste?

Tenho algo entre 1,60 e 1,65, realmente não sei, cada vez que me meço sai algo diferente; não sou magro nem gordo, mas infelizmente coxas largas. Moro em SP capital.
[TW: AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA]
Eu tô ficando maluco. Minha disforia com roupa é insana, e eu não aguento mais sentir que toda roupa bonita que existe no planeta Terra é proibida pro meu corpo.
Tudo fica imenso. Pareço um molequinho que pegou as roupas do avô pra brincar.
Eu saio no transporte público em horários de pico e, toda vez que aparece um cara com roupa social, eu quero que meu corpo derreta até virar uma poça de chorume no chão. Nunca vou poder me vestir igual um adulto. Vou ter que me vestir igual um adolescente rokero e otaku do orkut até os 80 anos (visto que camisetas de banda, anime, etc são escuras e folgadas, e calças pretas pra gente com coxão ficam mais neutras pela cor escura).
Sou pré-T e já há muito passei dos 20, mas não tenho um pingo de ânimo pra entrar p.ex. numa camisaria masculina pra comprar coisa, já que eu ~~~sou uma menina~~~ [fobia social falando aqui]. Só de passar em frente de loja de roupa me dá vontade de chorar, porque sei que é tudo proibido, e o que não é proibido (ainda que seja masculino) é feio. Gosto de roupa social. Terno. Camisa de botão. Blazer. Calça social lisinha com vinco no meio.
Tô acertando tudo pra aprender costura a partir do ano que vem. Se tudo o que planejo der certo, daqui uns meses terei novidades pra vocês :)
Sei lá, mesmo que ninguém possa ajudar, eu só queria saber que não tô sozinho.
submitted by SixthDoctorsArse to transbr [link] [comments]


2018.07.13 00:27 Guilherme_marquess Literatura - Contos

Boa noite comunidade do reddit Brasil, já faz algum tempo que venho pensando em publicar um livro de contos, a minha ideia é produzir uma série de contos que envolvam temas que estão em pauta na sociedade atual e assuntos que são pouco abordados, temas como estupro, assassinato, machismo, racismo, incesto, suicídio, temas que acontecem no cotidiano, aparecem nos dados, mas as pessoas em sua maioria mesmo conhecendo algum caso, deixam de lado. Ainda preciso evoluir muito na questão da escrita, mas trago para vocês uma pequena amostra do que tenho escrito. Quem possuir alguma dica construtiva, indicação de alguma forma de conhecimento que possa ajudar-me, ficarei grato.
Nunca teve muitos desejos desde de pequeno e adolescente, conformava-se com qualquer situação onde se encontrava. Não sentiu interesse em entrar em uma faculdade, também não em conseguir um trabalho que lhe pagassem bem, afinal nunca foi de gastar muito com qualquer coisa. Trabalhava em uma empresa de ônibus local, conseguiu o emprego depois de concluir seu ensino médio, permaneceu anos na mesma linha e no mesmo horário, nunca cogitando trocar de emprego e se quer alterar a linha que fazia, gostava daquele, era perto de sua casa e tinha uma carga horária menor que as demais linhas.
Todos os dias passava pelos mesmos locais, conhecendo cada pessoa que entrava nas paradas durante o percurso, sentia falta quando alguém não entrava, conseguiu até fazer umas amizades que puxavam assunto de vez enquanto. Conhecia cada local, cada casa, cada loja, conhecia tudo o que existia e que havia sido construído depois que começou a trabalhar naquela linha. Era uma pessoa extremamente pontual, sempre acordava, arrumava-se, andava alguns metros até chegar na garagem dos ônibus, cumprimentava todos os funcionários do local, fazia sua oração e saia exatamente 7:30, não saia um minuto antes e se quer um minuto depois, sempre pontual e chegando nas paradas no horário previsto, quando possuía afinidade com algum passageiro e sabia que ele estava chegando, encontrava um modo de atrasar um ônibus e rever a pessoa entrando em seu ônibus, era um dos seus pequenos motivos de felicidade.
Trabalhava anos naquela profissão, uma das únicas mudanças durante 50 anos de trabalha foi troca de cobrador, pois ele que conseguiu passar em um concurso público para trabalhar na capital e uma mudança de ônibus porque com o péssimo estado de algumas partes da cidade, ônibus acabou sendo afetado. Durante os anos de profissão, ocorreu algumas greves por um salário melhor, greves para melhorar as pistas e segurança para os motoristas que frequentemente passavam por péssimas experiências por causa de pessoas que entravam mostrando ser passageiros e depois disso, anunciavam um assalto e levava os pertences dos passageiros e dinheiro guardado no caixa, mesmo com todos esses acontecimentos, não concordava com as manifestações, afinal, nunca tinha acontecido com ele, sendo assim, algo que não lhe afetava, assim como o valor do salário e a qualidade das estradas, estava perfeitamente satisfeito com as péssimas condições e gostava de ficar observando o que acontecia durante o percurso e olhar a expressão dos passageiros pelo retrovisor que de vez enquanto, sorriam para ele.
Sua família era muito simples, filho único, seu pai era policial e ganhava um salário suficiente para manter as coisas em casa e sua mãe por ter sofrido um acidente, tinha sido invalidada e passado o resto de sua vida em casa. Perdeu ambos muito cedo, seu pai acabou sendo baleado enquanto estava sem serviço e sua mãe por uma péssima alimentação e poucos exercícios, desenvolvido uma doença nos músculos e falecendo alguns meses depois. Ele nunca foi muito próximo de ambos e ficou mal por algumas semanas mas depois disso, tornando-se e continuando em sua profissão focado como desde o começo. Algumas vezes chegou a conversar com algumas moças, mas nunca tendo amado de verdade, muito menos se apaixonado, não sentia interesse em qualquer forma de relação e algo do gênero nunca fez falta, acabou passando a vida só e mesmo assim, sem esposa, namorada, sem amigos, apenas mantinha contato com seus colegas de trabalho mas nenhum dessas interações, jamais saindo do âmbito de seu trabalho, era apenas por necessidade.
Naquela mesma cidade, morava um garoto que sempre mostrou ser uma pessoa bastante curiosa, perguntava para seus pais sobre o que causava cada coisa, sobre o mundo, sobre o universo, sobre as pessoas, sempre lia livros de fantasias e cada vez mais interessava-se por cada coisa aparecia para seus olhos. Estudava em uma escola pública da região mas frequentemente faltava por causa da falta de professores, mas sempre que conseguia, fazia de tudo para conseguir chegar em sua aula. O ônibus que pegava era o mesmo da linha do motorista, sempre fica observando aquele senhor, por vezes escutou os passageiros comentarem que ele era sozinho, também que a sua rotina se baseava no trabalho e sua casa. Sempre se perguntava se ele era feliz daquele modo, porque a vida dele era assim e se algo tinha levado ele a viver daquele modo, era realmente um mistério para ele e todos os dias se pegava pensando nisso. Muitas pessoas parecem possuir um passado interessante e também uma vida mas quando conhecemos sua verdadeira face, não existe muitas coisas que realmente podem nos impressionar como esperávamos. Era esse o caso mas a imaginação do jovem lhe proporcionava imaginar milhares de coisas sobre o senhor que mal conhecia e todos falavam mal.
Um dia o garoto ficou até tarde acordado escrevendo um trabalho, precisava da nota para passar na matéria e então mesmo lutando contra o sono, permaneceu acordado. Seus pais lhe acordaram e mesmo com sono, fez suas atividades matinais, tomou seu banho e despediu-se dos pais, logo depois caminhou até a parada próxima e esperou o ônibus. O ônibus estava com poucas pessoas, algo que raramente acontecia mesmo sendo uma cidade com poucas pessoas, então pensou que poderia tirar um cochilo antes que o ônibus chegasse em sua parada. Encostou próximo ao vidro colocando o seu casaco como uma espécie de travesseiro e fechou os olhos, depois de alguns minutos caindo no sono e por estar cansado, passando direto da sua parada, acordando apenas no terminal. Ficou extremamente preocupado por não conhecer aquele local da cidade e também por perder os pontos que precisava para passar no bimestre. O motorista que sempre pensava sobre a vida, estava no ônibus, então saiu pela porta de trás e entrou novamente no ônibus, sentando-se nos bancos atrás do banco do motorista e aproveitando a falta de movimento e a oportunidade de matar parte de sua curiosidade, olhou para o senhor e então disse:
- É verdade o que dizem sobre o senhor? - O que dizem sobre mim? - Que o senhor não tem família, que tem muitos anos que sua vida é apenas dirigir esse ônibus e descansar até o outro dia em sua casa.
O senhor ficou sem expressão por alguns segundos, olhou nos retrovisores e então calmamente respondeu o garoto:
- Desconheço porque dizem essas coisas sobre mim, não importa o que faço fora daqui e também, o que faço da vida, mesmo assim, é verdade, perdi meus pais muito cedo e trabalho nessa profissão tem um bom tempo, mas isso não é algo que você ou alguma outra pessoa precise se preocupar.
O garoto achou grossa a resposta do senhor que sempre era tão calmo, esperava que ele respondesse que era uma mentira, possuía expectativas que fosse apenas um boato de pessoas que não conseguem conversar sobre algo mais interessante. Mesmo assim, não estava decepcionado com a cruel verdade sobre o senhor que idealizou uma vida fantástica, não desistiu de continuar com suas perguntas, na verdade, ficou empolgado e perguntou:
- Mas por qual motivo sua vida é assim? Digo, porque nunca pensou em fazer outra coisa? Porque continua fazendo as mesmas coisas? Isso não lhe torna infeliz?
- Pelo contrário, eu gosto de todas as coisas que faço, tudo isso que vivo, foram minhas escolhas, continuo bem fazendo isso, nunca parei para pensar em fazer outra coisa. Sou bem feliz com a minha vida, espero que consiga ser feliz do mesmo jeito que eu sendo sincero, ainda possui muito para viver, é jovem, cheio de pensamentos, cheio de vontades, espero que faça bom uso disso tudo. Tenho que continuar prestando atenção no trânsito, não seria bom caso eu batesse em algum carro por descuido.
O garoto ficou frustrado, não era o que esperava, não conseguiu encontrar nada demais, sem grandes feitos, sem grande aventuras, não era o que ele imaginava. Então, apenas dirigiu-se para os bancos traseiros, sentou-se e ficou lá até sua parada. Apenas uma das primeiras decepções que alçamos esperar demais de coisas que não possuem muito para nos apresentar, mesmo assim, valendo a pena conhecer .
Depois de passar boa parte do tempo pensando nos questionamentos do jovem, o senhor terminou a sua linha e caminhou até sua casa. Trocou de roupa e esquentou a comida que tinha guardado do dia anterior, sentou-se no sofá e ligou sua pequena televisão. Depois de jantar, parou para pensar sobre o seu dia, mesmo com poucas coisas interessantes, sempre cultivava esse hábito. Pensando sobre porque as pessoas falavam mal dele mesmo ele sempre esforçando-se para agradar as pessoas. Não compreendiam porque esperavam mais coisas sobre a vida dele, também as críticas por trás do seu estilo de vida. Ficou minutos pensando nisso até que caiu no sono, depois disso, nunca mais pensou nessa questão. Continuou mantendo sua rotina, seu estilo de vida, por mais alguns anos seguidos sem mudar absolutamente nada além dos pratos preferidos por ter desenvolvido diabetes por sempre mascar balas enquanto dirigia.
Anos mais tarde, teve sua aposentadoria forçada por causa de políticas dentro da empresa referente ao tempo de permanência no emprego. Mesmo contra sua vontade, teve que abandonar seu emprego e deixar tudo aquilo que ocupava todo o seu cotidiano. Com uma expressão triste, pegou algumas coisas que guardava em seu armário, seu escapulário que estava no retrovisor do ônibus e seus ex-colegas de trabalhos. Voltou para sua casa, sentou-se e pensou sobre o que poderia fazer agora que encontrava-se sem emprego e o que poderia fazer com o salário da aposentadoria e as econômicas que conseguiu durante todos os anos trabalhando como motorista. Como já estava tarde, decidiu dormir e pensar sobre o que faria de sua vida, deitou-se e em um sono tranquilo, adormeceu sem muita preocupação, o que viria depois ainda não estava claro para o velho senhor toda a complicação.
Depois que acordou involuntariamente continuou sua rotina, até perceber que depois dos hábitos que cultivava em sua casa nada mais teria para fazer. Quando a nova realidade apareceu mais clara em sua mente, mais fresca e todo o vazio que restava depois disso, lhe abalou como um terremoto abala um prédio e tudo o que resta é esperança de que continue em pé mesmo com todos os danos que deixam marcam em sua estrutura. Se manteve parado em frente a sua porta, pensando para onde iria, o que faria, se perguntando o que poderia fazer em sua casa, mas não chegava em nada demais, nunca se preocupou com alguma espécie de entretenimento, nunca ficou muito tempo além da noite descansando dentro da sua casa. Dentro de todo aquele vazio sem pessoas, sem cor, encarava a porta, pensando em tudo o que poderia existir lá fora, mas uma dúvida enorme apresentava-se para ele, mesmo tendo andando por anos naquela cidade, conhecia apenas os locais por onde sua linha passava, conhecia apenas as pessoas que entravam em seus ônibus e os seus colegas de trabalho. Percebeu que aqueles pequenos locais, era o seu mundo, que as pessoas, não passavam de um mero cenário, passou anos dentro de uma realidade que se quer conhecia, toda a perspectiva de conhecer, uma ilusão. Todo o entretenimento que poderia ter, perdeu-se com o tempo em seu próprio mundo sem se quer ele perceber, sem conhecer nada, mesmo vivendo anos, sem ter feito nada mesmo com muitas coisas para fazer e com tanto dinheiro acumulado que não foram gastos com absolutamente nada. Andou pelos cômodos de sua casa, não tinha nada que tinha produzido, não tinha nada que comprou e muito menos que recebeu de presente de alguém, nenhum feito, nenhuma memória feliz, nada que ele poderia observar e reconhecer como algo que fez sua vida valer a pena.
Saiu da sua casa e andou pela rua, não reconhecia o que as pessoas estavam dizendo, não reconhecia o que as pessoas estavam vestindo, com tantos anos estando na direção de um ônibus, não sabia onde cada uma das outras linhas levavam e pensava se os motoristas tinham uma vida como a sua, se as pessoas sentadas no banco do passageiro, pensavam o mesmo que o jovem anos atrás que atualmente deveria estar adulto comentou sobre o que falavam sobre ele e ele tão preso em sua rotina não foi capaz de perceber. Sentia-se uma pessoa de outro mundo, outra realidade, sentia-se distante de todo aquele mundo onde permaneceu anos inserido que agora, depois de tudo, parecia algo totalmente novo. Pensava sobre o que poderia ter feito, como tudo poderia ter sido diferente, se agora estaria mais feliz, se agora poderia sentar-se em uma mesa e contar para a juventude tudo o que aprendeu, tudo o que viveu, tudo o que absorveu do mundo. Agora não tinha a mesma saúde, não tinha o mesmo tempo, sua conta dinheiro para viajar para qualquer lugar, comprar o que quisesse, visitar algum local que gostasse, mas não conhecia nada, se quer tinha escutado falar, também, não poderia convidar alguém para uma conversa, não conhecia ninguém, não poderia compartilhar algo que sentia, não tinha vivido nada que lhe despertasse amor, felicidade, prazer, muito menos uma pessoa que pudesse escutar tudo o que depois de ter percebido o enorme vazio que tinha criado, era como aquelas pessoas e locais que apareciam durante o seu percurso, encontravam-se lá, mas eram desconhecidas, não conhecia sentimentos, memorias, olhares, gestos, o que amavam, suas comidas e músicas favoritas, seus momentos felizes, seus pensamentos, sua história, estavam lá, mas ao mesmo tempo, não eram nada, depois de sumirem da visão, nada restaria daquelas pessoas, assim como depois que partisse, não teria feito, nada teria criado, nada teria conhecido, se encontraria no mesmo estado dos primeiros anos da sua vida de imaturidade, indecisões, inocência, anos de vida e nada vivendo. O senhor apenas pensava se poderia ainda viver o que não viveu, fazer algo que compensasse todo o tempo que perdeu, se ainda restaria algo para sentir, viver, conhecer, se o mundo que todos os dias se apresentava poderia lhe fazer sentir tudo o que não tinha sentido.
submitted by Guilherme_marquess to u/Guilherme_marquess [link] [comments]


2017.12.12 03:04 subreddit_stats Subreddit Stats: curitiba top posts from 2012-02-22 to 2017-12-08 18:00 PDT

Period: 2115.95 days
Submissions Comments
Total 465 501
Rate (per day) 0.22 0.24
Unique Redditors 63 127
Combined Score 2646 1027

Top Submitters' Top Submissions

  1. 962 points, 182 submissions: chiphead2332
    1. De modelo a defasado: o declínio do sistema de ônibus de Curitiba (15 points, 1 comment)
    2. Richard Stallman, fundador do movimento Software Livre, do Projeto GNU, e da Free Software Foundation, faz palestra em Curitiba dia 2 de junho (12 points, 1 comment)
    3. 5 museus de graça que são pouco conhecidos na capital paranaense (11 points, 0 comments)
    4. Curitiba teve fevereiro mais quente em 14 anos (11 points, 0 comments)
    5. Massa de ar Polar promete trazer frio avassalador para Curitiba nos próximos dias (11 points, 1 comment)
    6. Prefeitura implanta em Curitiba o compartilhamento de bicicletas (11 points, 1 comment)
    7. Bicicletas compartilhadas chegam no 2º semestre em Curitiba (10 points, 2 comments)
    8. Cientista curitibano está entre os cotados para o Nobel de Física (10 points, 0 comments)
    9. Curitiba receberá pela primeira vez festival internacional de divulgação científica (15 a 17 de maio) (10 points, 0 comments)
    10. Curitiba tem uma média de quase seis assaltos a ônibus do transporte público por dia (10 points, 1 comment)
  2. 330 points, 48 submissions: gordori
    1. Google Transit agora mostra os horários dos ônibus em tempo real em Curitiba (15 points, 0 comments)
    2. Número de atropelamentos em Curitiba cai 36,5% em dois anos (13 points, 0 comments)
    3. Pipoteca: conheça história do produto mais conhecido de Curitiba (13 points, 0 comments)
    4. Curitiba e região terão 5 novos shoppings; saiba como está a situação de cada um (12 points, 2 comments)
    5. Histórico da tarifa de ônibus em Curitiba (12 points, 1 comment)
    6. Curitibanos afirmam que o transporte do futuro é o público, mas maioria usa veículo particular (11 points, 1 comment)
    7. Eleições 2016: Qual a sua opinião sobre o Fruet? (11 points, 5 comments)
    8. [Humor] Winston Greca / Rafael Churchill (11 points, 3 comments)
    9. As marcas do paranismo na arquitetura de Curitiba (10 points, 1 comment)
    10. China presenteia Curitiba com escultura semelhante a obra desprezada por sua praça mais famosa (10 points, 0 comments)
  3. 249 points, 42 submissions: Chrono1984
    1. Prefeitura anuncia aumento de passagem de ônibus em Curitiba (4,25, dia 06/02) (14 points, 11 comments)
    2. Rafael Greca é eleito prefeito de Curitiba (13 points, 0 comments)
    3. Linha Verde completa uma década só com metade da obra concluída (11 points, 3 comments)
    4. Dinheiro de fraude em escolas era repassado para a campanha de Beto Richa (10 points, 0 comments)
    5. Beto Richa é governador com menor aprovação do país (8 points, 0 comments)
    6. Demora no atendimento e água caindo pelo teto causam confusão na UPA da CIC (8 points, 0 comments)
    7. Governo do estado descumpriu 72,4% das ressalvas feitas pelo TC em contas de 2013 (8 points, 0 comments)
    8. Massacre de Curitiba é “esquecido” pela Retrospectiva 2015 da Globo (8 points, 1 comment)
    9. Paradas, estaduais do PR suspendem seus vestibulares (8 points, 0 comments)
    10. Veja 12 momentos em que Greca detonou seu “novo aliado” Beto Richa (8 points, 0 comments)
  4. 187 points, 31 submissions: pedrostakeholder
    1. Prefeito Rafael Greca inicia fiscalização e esvazia bares na rua onde mora (11 points, 1 comment)
    2. ATENÇÃO: Curitiba pode ter greve parcial de ônibus nesta segunda-feira (23) (10 points, 3 comments)
    3. Prefeito Rafael Greca é internado com embolia pulmonar (10 points, 2 comments)
    4. Previsão de -4º C. Fim de semana deve ter o dia mais frio do ano no Paraná (10 points, 1 comment)
    5. TC manda prefeitura suspender reajuste da tarifa de ônibus em Curitiba (10 points, 1 comment)
    6. Vereador que dizia "pagar para trabalhar" tentou, mas não se reelegeu em Curitiba (10 points, 0 comments)
    7. Show do Aerosmith em Curitiba é cancelado: como fazer o reembolso do ingresso (9 points, 0 comments)
    8. Prepare-se: motoristas e cobradores decidem estender greve em Curitiba (8 points, 3 comments)
    9. Conta de luz da Copel vai ter desconto de mais de 10% em abril (7 points, 0 comments)
    10. É hoje! “A inesquecível viagem de Natal” estreia no Palácio Avenida (7 points, 0 comments)
  5. 71 points, 8 submissions: frahm9
    1. O Greca brindou o ano novo com Cini (13 points, 3 comments)
    2. A RPC parece um grupo do whatsapp (12 points, 0 comments)
    3. (banhopensamento) O Parracho da RPC é a cara do Jeb Bush (11 points, 3 comments)
    4. A rádio Lumen vai acabar mês que vem (10 points, 1 comment)
    5. Indicação de psiquiatra e/ou psicólogo? (9 points, 1 comment)
    6. Curitiba tá longe de receber uma Olimpíadas, mas pelo menos teve Água Verde (7 points, 0 comments)
    7. Semana do Cinema Polonês no Shopping Agua Verde: cinco filmes com entrada gratuita (5 points, 0 comments)
    8. O dia que a Khaleesi foi pedir ajuda do Rafael Greca (4 points, 1 comment)
  6. 55 points, 8 submissions: koselleck
    1. TIL: Alguns ônibus de Curitiba têm mais de 17 anos mesmo com o limite máximo permitido em contrato de 10 anos. (13 points, 0 comments)
    2. Professor de História é ameaçado por dizer que Lula não deve ser assassinado (10 points, 4 comments)
    3. Greca diz que vai fazer "Lava Jato física" em Curitiba e que metrô é para toupeira (Entrevista para o UOL) (7 points, 2 comments)
    4. Delator diz que encontro para discutir caixa dois reuniu Beto Richa, presidente da Alep e diretor da Seed (6 points, 0 comments)
    5. Orquestra Sinfônica do Paraná abre temporada com novo maestro titular (6 points, 2 comments)
    6. O céu é o limite: Os movimentos do camaleônico ministro da Saúde, Ricardo Barros, para fazer de sua família a nova oligarquia do Paraná (5 points, 0 comments)
    7. Terceira edição do Festival de Ópera do Paraná com apresentações gratuitas (5 points, 0 comments)
    8. Visita à Lapa (3 points, 1 comment)
  7. 49 points, 7 submissions: rpcastilho
    1. Curitiba vista do bairro Alto da XV (15 points, 1 comment)
    2. Fábrica dos "Sonhos Alfa" do carro do sonho é atingida por incêndio (9 points, 1 comment)
    3. se você é gordo/gorda, como faz pra comprar roupas aqui em Curitiba? (7 points, 1 comment)
    4. Moinho Holandês em Castro/PR (6 points, 0 comments)
    5. Ladrões armados roubam loja dentro do ParkShopping Barigui (5 points, 0 comments)
    6. Homem morre ao tentar pegar pinhão em árvore (4 points, 1 comment)
    7. Família Imperial vem a Curitiba (3 points, 1 comment)
  8. 42 points, 6 submissions: mrcapgras
    1. Lumen FM anuncia encerramento das atividades após 12 anos (13 points, 2 comments)
    2. Alguém reconhece da onde é essa vista? (8 points, 3 comments)
    3. A rota cervejeira do, bom e velho, São Francisco (6 points, 2 comments)
    4. Uber confirma chegada a Curitiba (6 points, 2 comments)
    5. Projeto prevê abono na falta de servidor municipal em caso de morte de animal (5 points, 1 comment)
    6. Leprevost: “Vou disputar prefeitura nem que chova canivete” (4 points, 0 comments)
  9. 39 points, 7 submissions: luccwb
    1. Esquema de desvios milionários da UFPR era comandado por três famílias, diz PF (8 points, 1 comment)
    2. Gírias e lugares de Curitiba nos anos 1980 (8 points, 0 comments)
    3. 15 episódios marcantes da história do Paraná (7 points, 0 comments)
    4. Boqueirão: a fazenda que se transformou num dos maiores e o mais populoso bairro de Curitiba (5 points, 0 comments)
    5. Oil Man - O Homem óleo "marvels" (5 points, 3 comments)
    6. Palácio Avenida - Natal 2017 (4 points, 0 comments)
    7. Palácio Avenida Curitiba - ÚLTIMA APRESENTAÇÃO 2016 (2 points, 0 comments)
  10. 32 points, 6 submissions: luiznp
    1. Ligeiramente interessante: Esse gif na front page foi gravado no Palladium (9 points, 0 comments)
    2. Tiroteio na Avenida Marechal Deodoro deixa assaltante ferido (8 points, 1 comment)
    3. Piscina de bolinhas gigante no Shopping Estação atenderá adultos em horário especial (5 points, 1 comment)
    4. Tentaram me assaltar agora há pouco na XV. (5 points, 3 comments)
    5. Water Salute no aeroporto Afonso Pena, para o 1º voo da rota Guarulhos - Curitiba (4 points, 2 comments)
    6. Estimativa da PM: 15 mil nas ruas (1 point, 0 comments)
  11. 27 points, 6 submissions: tarigui
    1. Presidente da FCC, Marcos Cordiolli é detido durante confusão no Centro (6 points, 0 comments)
    2. Dia da Bandeira do Haiti é comemorado em Curitiba (5 points, 1 comment)
    3. Novos parques de Curitiba integram 'projeto verde' na região sul (5 points, 0 comments)
    4. Ratinho lidera disputa a prefeito; 4 opositores ‘embolam’ o 2.º lugar (5 points, 2 comments)
    5. Moeda social eletrônica pode começar a circular em Curitiba (3 points, 0 comments)
    6. Shows de jazz tomam conta do Paço da Liberdade (3 points, 0 comments)
  12. 26 points, 5 submissions: pizzaiolo_
    1. Ouvidoria Municipal de Curitiba recomenda o uso de Software Livre (8 points, 2 comments)
    2. Vaga Desenvolvedor Linux em Curitiba/PR (8 points, 0 comments)
    3. Curitiba lança edital para implantação de sistema de carro elétrico compartilhado (5 points, 0 comments)
    4. Leminski Falando Sobre Graffiti (3 points, 0 comments)
    5. Padre que fugiu da Síria recomeça a vida em Curitiba (2 points, 0 comments)
  13. 23 points, 4 submissions: crszoom
    1. Curitiba entra no terceiro dia com greve de ônibus; siga em tempo realGazeta do Povo (7 points, 4 comments)
    2. Guarda Municipal detém cinco por pichação (7 points, 0 comments)
    3. Novo estádio do Paraná estaciona na mesa do ministro do Planejamento (6 points, 0 comments)
    4. Faça chuva ou tenha Carnaval, professores seguem acampados na Alep (3 points, 0 comments)
  14. 19 points, 2 submissions: drlyons
    1. Máquina de venda automática de guarda-chuva chega a Curitiba (10 points, 0 comments)
    2. whatafuck vendendo hamburguer a 1 real (9 points, 3 comments)
  15. 18 points, 3 submissions: paloboq
    1. 46 bairros de Curitiba e Região Metropolitana ficarão sem água no fim de semana (9 points, 1 comment)
    2. Greca perde a batalha da comunicação para servidores em greve (6 points, 1 comment)
    3. Dono de mansão no Alphaville Curitiba vende tudo a partir de R$ 3 (3 points, 0 comments)
  16. 18 points, 1 submission: zikavirusfromhell
    1. Um destes é o novo prefeito de Curitiba. Consegue distinguir qual deles? (18 points, 0 comments)
  17. 17 points, 2 submissions: zwttrn
    1. Onde vocês gostam de comer aqui? (12 points, 10 comments)
    2. Liga De Basquete Interpraças (5 points, 0 comments)
  18. 15 points, 4 submissions: bags_groove
    1. A polícia covarde do Beto Richa contra os professores e manifestantes - 29/04/15 (6 points, 0 comments)
    2. Cena Paisagem - Lusco Fusco (parte 1) - Sessão ao vivo [Jazz-Rap Curitibano] (4 points, 0 comments)
    3. Novo álbum de Francisco Okabe - "Ah não ser eu toda a gente e toda a parte!" (3 points, 0 comments)
    4. Cena Paisagem - Lusco Fusco (parte 2) - Sessão ao vivo [Jazz-Rap Curitibano] (2 points, 0 comments)
  19. 14 points, 4 submissions: muaddib4
    1. No Paraná, motociclista tem 20 vezes mais chances de morrer em acidentes (6 points, 1 comment)
    2. 9º Festival Aéreo do ACP anunciado! (4 points, 0 comments)
    3. Arma em Nó - Projeto Não Violência - Museu Paranaense - Curitiba - Paraná (3 points, 0 comments)
    4. Segurança pública é assunto para prefeito e não se reduz apenas à Guarda Municipal (1 point, 0 comments)
  20. 14 points, 1 submission: meunovonomedeusuario
    1. Esta senhora vende coisas feitas com anéis de lata de refrigerante na feirinha do Largo e estava vestida com uma "cota de malha" feita desse material (14 points, 1 comment)
  21. 13 points, 2 submissions: tinho666
    1. Jovem com a camisa do Paraná Clube é procurado pela polícia de Nova Jersey (9 points, 1 comment)
    2. Vereador tenta ludibriar eleitores e MP manda alterar o nome do Candidato (4 points, 4 comments)
  22. 13 points, 1 submission: leospricigo
    1. /gazetadopovo (13 points, 3 comments)
  23. 12 points, 1 submission: H_F_G
    1. Assalto no centro (12 points, 7 comments)
  24. 12 points, 1 submission: steingt
    1. Paraná TV starter pack (12 points, 1 comment)
  25. 11 points, 1 submission: Snowyguy
    1. Alunos de Ciências da Computação na UFPR, tenho uma pergunta: (11 points, 14 comments)
  26. 10 points, 8 submissions: GustavoScalzer
    1. Passagem de ônibus em Curitiba sobe e vai para R$ 4,25 (2 points, 0 comments)
    2. Prefeitura de Curitiba será multada por não baixar a passagem do ônibus (2 points, 1 comment)
    3. CURITIBA: Rafael Greca e Ney Leprevost vão para o 2º turno (1 point, 0 comments)
    4. Guardas municipais de Curitiba são detidos monitorando chácara de Rafael Greca (1 point, 0 comments)
    5. Locais de votação no Paraná mudam após ocupação de escolas; veja onde você vai votar (1 point, 0 comments)
    6. Não sabe onde votar? Veja aqui qual é seu local de votação (1 point, 0 comments)
    7. Porto de Paranaguá abre concurso com 28 vagas e salário de R$ 4,5 mil (1 point, 0 comments)
    8. VÍDEO: Ex-prefeito tenta se esconder no forro de casa e é preso pela polícia (1 point, 0 comments)
  27. 10 points, 1 submission: Kawakai
    1. Viajando para Curitiba durante 3 dias, onde ficar? (10 points, 4 comments)
  28. 9 points, 1 submission: Fergobirck
    1. Delivery de comida - Recomendações? (9 points, 3 comments)
  29. 9 points, 1 submission: Madooxlins
    1. Museum ucranian Curitiba-pr (9 points, 0 comments)
  30. 9 points, 1 submission: zedafuinha
    1. Centro: Problemas com tráficos de drogas e usuários de crack (9 points, 9 comments)
  31. 8 points, 3 submissions: gstv86
    1. Após “tratoraço”, manifestantes invadem a Assembleia [Gazeta do Povo] (3 points, 0 comments)
    2. Pesquisa do Procon aponta diferença superior a 70% em produto para a Páscoa (3 points, 1 comment)
    3. Telemarketing de todo o país pode ser bloqueado por clientes do Paraná (2 points, 0 comments)
  32. 8 points, 2 submissions: anselmocaramelo
    1. Assalto no tubo Coronel Dulcídio termina em morte (7 points, 0 comments)
    2. Sempre que ando de metrô em SP penso: Curitiba não está pronta... (1 point, 5 comments)
  33. 8 points, 1 submission: -Chimpzy-
    1. Pretendendo me mudar pra Curitiba e precisando de uma ajuda (8 points, 4 comments)
  34. 8 points, 1 submission: Fer22f
    1. Aviso encontrado sobre a Frente Nacionalista (8 points, 3 comments)
  35. 8 points, 1 submission: GiovaniGuizzo
    1. Redditors do /curitiba, postem suas fotos com o grande Oil Man. (8 points, 3 comments)
  36. 8 points, 1 submission: ProfessorPauloGuina
    1. I was researching the city of Curitiba for my Geography project, found its horrible flag, and redesigned it. : vexillology (8 points, 0 comments)
  37. 8 points, 1 submission: ebaroni83
    1. Adolescente morre esfaqueado dentro de escola ocupada em Curitiba (8 points, 0 comments)
  38. 8 points, 1 submission: hankdraperdasilva
    1. Está funcionando o sistema de compartilhamento de bike? (8 points, 1 comment)
  39. 7 points, 2 submissions: eplehans
    1. Bike-riding downtown Curitiba (4 points, 1 comment)
    2. Any good trails for trail running in or around the Curitiba area? (3 points, 4 comments)
  40. 7 points, 1 submission: anonimou_eu
    1. Violência em Curitiba (7 points, 6 comments)
  41. 7 points, 1 submission: paulora2405
    1. Dicas e fatos sobre Curitiba (7 points, 4 comments)
  42. 7 points, 1 submission: quagliato
    1. Maratona "De Volta Para o Futuro" no dia 21 de Outubro (7 points, 0 comments)

Top Commenters

  1. chiphead2332 (172 points, 85 comments)
  2. gordori (109 points, 46 comments)
  3. meunovonomedeusuario (35 points, 16 comments)
  4. luiznp (35 points, 15 comments)
  5. leonhgomes (33 points, 12 comments)
  6. Chrono1984 (33 points, 10 comments)
  7. koselleck (32 points, 13 comments)
  8. gstv86 (29 points, 15 comments)
  9. TheDemonHauntedWorld (22 points, 10 comments)
  10. MestreShaeke (18 points, 10 comments)
  11. punkcosmonaut (18 points, 5 comments)
  12. zedafuinha (17 points, 6 comments)
  13. ToddIskrovan (12 points, 7 comments)
  14. GiovaniGuizzo (11 points, 7 comments)
  15. cadrina (11 points, 7 comments)
  16. robaco (11 points, 6 comments)
  17. tinho666 (10 points, 7 comments)
  18. zwttrn (10 points, 6 comments)
  19. guedslaitt (10 points, 4 comments)
  20. GilbertoDoPiento (9 points, 6 comments)
  21. Labaporu (9 points, 5 comments)
  22. pedrostakeholder (9 points, 4 comments)
  23. elfuegoqueardetupiel (8 points, 4 comments)
  24. hankdraperdasilva (8 points, 4 comments)
  25. rpcastilho (8 points, 4 comments)
  26. Fergobirck (8 points, 3 comments)
  27. lucvs (8 points, 3 comments)
  28. Lecoruje (7 points, 4 comments)
  29. frahm9 (7 points, 4 comments)
  30. Gobain (7 points, 3 comments)
  31. chibiwarf (7 points, 3 comments)
  32. gsreis (7 points, 3 comments)
  33. sulp13 (7 points, 3 comments)
  34. strogo1010 (6 points, 3 comments)
  35. rockywm (6 points, 2 comments)
  36. Jvrc (6 points, 1 comment)
  37. RafaAff (6 points, 1 comment)
  38. eojnai (6 points, 1 comment)
  39. tarigui (6 points, 1 comment)
  40. anselmocaramelo (5 points, 5 comments)
  41. Fer22f (5 points, 3 comments)
  42. koalabrasil (5 points, 2 comments)
  43. lucassasso (5 points, 2 comments)
  44. MakeitHOT (5 points, 1 comment)
  45. ksye (5 points, 1 comment)
  46. Vitorfg (4 points, 5 comments)
  47. TheSputnik (4 points, 4 comments)
  48. H_F_G (4 points, 3 comments)
  49. Hohgrat (4 points, 2 comments)
  50. aoshiz87 (4 points, 2 comments)

Top Submissions

  1. Um destes é o novo prefeito de Curitiba. Consegue distinguir qual deles? by zikavirusfromhell (18 points, 0 comments)
  2. Curitiba vista do bairro Alto da XV by rpcastilho (15 points, 1 comment)
  3. De modelo a defasado: o declínio do sistema de ônibus de Curitiba by chiphead2332 (15 points, 1 comment)
  4. Google Transit agora mostra os horários dos ônibus em tempo real em Curitiba by gordori (15 points, 0 comments)
  5. Prefeitura anuncia aumento de passagem de ônibus em Curitiba (4,25, dia 06/02) by Chrono1984 (14 points, 11 comments)
  6. Esta senhora vende coisas feitas com anéis de lata de refrigerante na feirinha do Largo e estava vestida com uma "cota de malha" feita desse material by meunovonomedeusuario (14 points, 1 comment)
  7. /gazetadopovo by leospricigo (13 points, 3 comments)
  8. O Greca brindou o ano novo com Cini by frahm9 (13 points, 3 comments)
  9. Lumen FM anuncia encerramento das atividades após 12 anos by mrcapgras (13 points, 2 comments)
  10. Número de atropelamentos em Curitiba cai 36,5% em dois anos by gordori (13 points, 0 comments)

Top Comments

  1. 10 points: Chrono1984's comment in Rafael Greca estuda limitar grafite
  2. 8 points: Chrono1984's comment in Greca diz que vai fazer "Lava Jato física" em Curitiba e que metrô é para toupeira (Entrevista para o UOL)
  3. 8 points: punkcosmonaut's comment in Prefeitura anuncia aumento de passagem de ônibus em Curitiba (4,25, dia 06/02)
  4. 7 points: gordori's comment in Greca faz balanço dos 100 dias de gestão e diz que não quer ser quem 'agrada sindicatos e maltrata o funcionalismo'
  5. 6 points: Jvrc's comment in Manifestantes ameaçam atear fogo na sede do PT em Curitiba
  6. 6 points: RafaAff's comment in Tem um Delivery novo de cerveja gelada em Curitiba... pedi hoje e fiquei surpreso que chegou em 30 minutos! E o preço parece ser bem mais em conta que o Alo Esquenta
  7. 6 points: chiphead2332's comment in Ratinho lidera disputa a prefeito; 4 opositores ‘embolam’ o 2.º lugar
  8. 6 points: chiphead2332's comment in Por que Curitiba ainda não tem um bilhete único?
  9. 6 points: eojnai's comment in Prefeitura anuncia aumento de passagem de ônibus em Curitiba (4,25, dia 06/02)
  10. 6 points: gordori's comment in Histórico da tarifa de ônibus em Curitiba
Generated with BBoe's Subreddit Stats (Donate)
submitted by subreddit_stats to subreddit_stats [link] [comments]


2017.11.29 20:20 tombombadil_uk Today I fucked up: a estranha sensação de reencontrar um amor do passado 12 anos depois / Parte 3

Galera, finalmente postando a última parte da saga. Depois de pensar para caralho, resolvi falar com ela pelo Facebook e marcamos de nos encontrar num café pertinho da praça onde nos esbarramos. Para quem não conhece a história desde o começo:
Parte 1 - TL/DR: sou casado, reencontrei uma garota por quem eu era apaixonado há 12 anos e só nesse reencontro eu percebi como eu fui um imbecil com ela. Em resumo, nós éramos grandes amigos, eu fiquei com medo de me declarar, meti o pé do curso de inglês que fazíamos sem dar nenhuma explicação e desapareci completamente da vida dela.
Parte 2 - TL/DR: comecei a me perguntar se aquela garota que eu reencontrei realmente era ela, já que ela parecia tão mais velha. Depois de dezenas de tentativas, achei ela no Facebook e sim, realmente era ela. Descobri que um amigo meu já tinha saído com uma prima dela há muito tempo e soube que ela teve uma vida bem escrota, foi abandonada por um marido meio babaca e agora basicamente vivia só pelo filho na casa dos pais.
Parte 3 - Taí. Nos reencontramos. Foi uma experiência que eu não sei classificar. Foi feliz, foi triste. Foi amargo, foi doce. Foi impressionante. A gente chorou um pouco junto. Escrevi um pouco ontem à noite e terminei hoje de manhã.
Só queria agradecer a todos os conselhos e dicas que recebi aqui. Reencontrar alguém do passado é uma coisa que mexe muito com a gente, faz com que nosso coração se sinta naquela época novamente. Essas quase três semanas foram muito estranhas. Foi quase uma viagem no tempo por coisas que eu achava já ter esquecido completamente. Infelizmente não posso dividir muito disso com amigos próximos, então fica aqui o desabafo.
Esse último ficou mais longo do que eu esperava. Honestamente, a gente conversou tanto que acho que resumi até demais. Como da primeira vez, fiz em formato de conto. Novamente, obrigado a todo mundo que deu um help nessa história, que finalmente se fechou.
Era um café bonito. Novo da região, era um daqueles negócios em que você vê o coração de um sonho do dono. As mesas rústicas de madeira, as lâmpadas suspensas que desciam do teto em fios de prata, como teias de aranha tecidas por vagalumes. O quadro negro cuidadosamente preenchido com os preços e até desenhos estilizados de alguns pratos. No fundo, um jazz instrumental marcava presença de forma tênue. Também era um daqueles negócios que você sabe que não vai durar muito. Que você bate o olho e pensa: “com essa crise, é melhor eu dar um pulo lá antes que feche”.
Eu presto atenção a cada detalhe ao meu redor. À roupa preta das atendentes, ao supermercado do outro lado da rua que vejo pela vitrine. Aos clientes que entram e saem de uma loja das Casas Pedro. Eu não quero esquecer de absolutamente nada. Era um ritual meu que fiz pela primeira vez aos 14 anos. Sempre tive boa memória, mas naquela época eu me esforcei para colocá-la inteiramente em ação. Era um verão e eu estava prestes a reencontrar uma prima que, anos atrás, fora minha primeira paixão. Ela nos visitava de anos em anos e, três anos após trocarmos beijos juvenis debaixo do cobertor, ela havia acabado de chegar à casa dos meus avós, onde se hospedaria.
Naquela noite, eu não consegui dormir. Por volta das 4h da manhã, peguei meu cachorro e caminhei 15 minutos em meio à madrugada até a casa da minha avó. Não, não fui fazer nenhuma surpresa matinal ou pular a janela em segredo. Eu apenas fiquei do outro lado da rua e observei tudo ao meu redor. “Eu vou lembrar desse reencontro para o resto da minha vida”, pensei, do alto dos meus 14 anos. “Eu quero lembrar de cada detalhe”.
E até hoje eu lembro. Da rua cujo chão estava sendo asfaltado, mas onde metade da pista ainda exibia os bons e velhos paralelepípedos. Das plantas da minha avó balançando ao vento, o som singelo dos sinos que ela mantinha na varanda e davam àquilo tudo um clima quase de sonho. Do meu cachorro, fiel companheiro que viria a morrer dois anos depois, sentado ao meu lado com metade da língua para fora. Do frescor da madrugada que precedia o calor inclemente das manhãs do verão carioca.
Mas não é dessa memória - e nem dessa paixão - que eu falo no momento. Eu falo dela. Dela, que eu reencontrei depois de tanto tempo. Que eu julgava já ter esquecido. Que, apenas mais de dez anos depois, eu percebi que tinha sido um babaca ao desaparecer sem qualquer despedida. Mesmo que ela jamais tivesse segundas intenções comigo, mesmo que fosse apenas uma boa amiga, eu havia errado. E aquela era o dia de colocar aquilo, e talvez mais, a limpo.
Foram três semanas de tortura comigo mesmo. Desde que achara seu perfil no Facebook e ouvira de um amigo em comum notícias de uma vida triste, seu rosto não me saía da cabeça. Ao menos uma vez por dia, eu pagava uma visita ao seu perfil e mirava aqueles olhos. As fotos, quase todas ao lado da mãe e do filho pequeno, tinham um sorriso fugaz encimado por olhos dúbios, tristes. Eles lembravam-me de mim mesmo. “Você tem um olhar de filhote de cachorro triste, por isso consegue tudo que quer”. “Você parece feliz, mas sempre que para de falar por um tempo, parece ter uns olhos tão tristes”. “Essa cara de pobre-coitado-menino-sofredor é foda de resistir, dá vontade de levar para casa e dar um banho”. Eu já havia perdido a conta de quantas vezes ouvira aquilo das minhas ex-namoradas e ficantes da faculdade. Os dela não eram muito diferentes. Quando ela finalmente apareceu, com sete minutos de atraso, eu pude perceber.
Meu coração parou por uma fração de segundo e depois disparou, como se os sineiros de todas as catedrais que haviam dentro de mim tivessem enlouquecido. Era engraçado como algumas pessoas passavam vidas inteiras sem mudar o jeito de se vestir. Ela ainda parecia com aqueles sábados em que nós nos encontrávamos no curso de inglês: os tênis All-Star, a calça jeans clara, uma camiseta simples - de alcinha, branca e com corações negros estampados - e o cabelo com rigorosamente o mesmo corte. “Talvez por isso que foi tão fácil reconhecê-la, mesmo depois de todo esse tempo”, pensei. Ou talvez eu reconhecesse aquele rosto e aqueles olhos - antes tão vivos e alegres - em qualquer lugar. Eu jamais saberia.
Como qualquer par de amigos que não se vê há milênios, falamos de amenidades no começo. Casei, separei. Sou funcionária pública, ela dizia. O relato do meu amigo, eu descobria agora, não estava perfeitamente certo. Ela não havia se demitido do trabalho, apenas se licenciado por algum tempo. “Fui diagnosticada com depressão”, ela admite, sem muitas delongas ou o constrangimento que tanta gente tem sobre o tema. “Meu casamento estava indo muito mal e eu desabei. Mas agora tá tudo bem”. Não estava, não era necessário ser um especialista para notar aquela tristeza escondida no canto do olhar.
Falei da minha vida para ela também. Contei que a minha ex-namorada que ela conheceu não deu certo e que, naquela época de fim da adolescência e início da vida adulta, eu tinha muita vergonha de falar sobre o que eu passava. Ela praticava gaslighting comigo, tinha crises de ciúme incontroláveis, me fazia sentir um crápula por coisas que eu sequer havia feito. “Você parecia tão feliz com ela”. “Eu finjo bem”, admiti. “E eu tinha vergonha de mostrar para os outros o que passava. Homem dizendo que a mulher é abusiva? Eu não queria que ninguém soubesse”.
Após quase meia hora de amenidades, eu exponho o elefante na sala de estar. Na verdade, quem começa é ela. Quando a adicionei no Facebook, falei que tinha esbarrado com ela na rua e que ficara com vergonha de cumprimentá-la na hora. Mas que queria muito revê-la depois de tanto tempo, tomar um café, falar sobre a vida. “Por que você sumiu?”, ela pergunta, no meio de um daqueles silêncios que duram mais do que deveriam. Eu tremi por dentro, mas não havia como continuar escondendo.
No começo, falei o básico. Que era de família humilde, como ela bem lembrava, e que o parente que pagava meu curso havia descoberto um câncer. Poucos meses depois, eu perdi meu emprego. Tudo isso num intervalo curto, de três ou quatro meses e perto da virada do ano. “Me ligaram do curso e ofereceram um desconto. Eu era pobre, mas sempre fui orgulhoso. Naquela época, era mais ainda. Burrice minha. Se bobear, eles iam acabar me oferecendo uma bolsa”. “Eles iam”, ela responde. “O Francisco - dono do curso - era maluco por você. Você era um ótimo aluno”. Ela dá um gole no mate que pediu. Meu café esfria ao meu lado. “Mas por quê você não falou nada comigo?”, ela continua.
Eu sabia que estava num daqueles momentos em que poderia mudar radicalmente o dia. Porque eu poderia ter mentido. “Eu não falei porque fiquei com vergonha de ter perdido o emprego”. “Eu não falei porque eu estava muito triste: parente próximo com câncer, desempregado, meu relacionamento com uma pessoa abusiva”. Eram mentiras com um pouco de verdade, mas não revelavam o grande problema. Naquele fim de tarde, eu escolhi não mentir. Nem me esconder. E eu já tinha ensaiado essas palavras dezenas de vezes nas últimas semanas.
“Olha, eu não sei se dava para reparar na época ou não. Não sei era muito óbvio, sinceramente. Mas eu era completamente apaixonado por você naquele tempo. Eu passava a semana inteira pensando no dia em que a gente ia se encontrar, trocar uma ideia no curso, caminhar junto até a sua casa. E eu tinha uma vergonha absurda disso. Eu tinha namorada, você tinha namorado e estava para se casar. Então eu achava errado expor aquilo, ser claro. E eu achava que você não gostava de mim. Eu tinha auto-estima muito baixa e esse relacionamento com essa ex-namorada abusiva só piorou as coisas. Eu me sentia um lixo, então achava que você não ia ligar se eu sumisse. Que ninguém ia ligar se eu sumisse. E foi o que eu fiz. Mas, se você quer uma versão curta da resposta, é essa: eu era completamente apaixonado por você naquela época e quis sumir, sair correndo”.
Enquanto eu falava aquilo tudo, a boca dela se abriu em alguns momentos. Às vezes parecia surpresa, às vezes parecia que ela tentaria falar alguma coisa que se perdia no caminho. Eu fazia esforço para olhá-la nos olhos, mas era difícil. Mesmo depois de todos esses anos. Tentei dar a entender com o tom de cada palavra que aquilo era uma coisa do passado, que não me incomodava mais, que agora eu queria apenas revê-la e saber como andava a vida.
O desabafo foi seguido de um silêncio que tornava-se mais pesado a cada segundo. Havia alguma coisa fervendo dentro dela, dava para ver. Foi aí que os olhos dela brilharam mais do deveriam, lacrimejando. Quando vejo aquilo, sinto que o mesmo vai acontecer comigo, mas me seguro. Ela vira o rosto e olha para além da vitrine, onde um ponto de ônibus está lotado com os clientes do supermercado e estudantes recém-saídos de suas escolas, o trânsito lento e infernal. A acústica é tão boa no bar que o caos de fim de tarde do outro lado do vidro parece uma televisão ligada no mudo. Quando ela me olha de volta, vejo que ela não faz qualquer esforço para esconder os olhos marejados.
“E você nunca me contou nada? Nem pensou em me contar?”.
Eu não sei quantos de vocês já ficaram sem notícias de um parente ou de alguém que você ama por muitos anos. Aconteceu comigo uma vez, com uma tia que desapareceu por quase 10 anos no exterior e reapareceu após ser mantida em cárcere privado por um namorado obsessivo. A sensação é estranha. É como descobrir que um livro que você tinha dado como encerrado tinha uma continuação secreta. As memórias de hoje se misturavam com as de 12 anos atrás, da última vez que li esse livro. Ela começou a contar tudo.
Ela, como eu já disse antes, era o meu ideal de felicidade. Casara cedo, tivera filho cedo, empregara-se no serviço público cedo. Era tudo com o que eu sonhava. Eu sempre quis constituir uma família, ter uma vida simples, ter um filho cedo para poder aproveitá-lo ao máximo. Mas a falta de dinheiro e a busca por uma parceira ideal sempre ficaram no caminho, assim como a carreira. O problema é que ela tinha uma vida muito diferente do que eu imaginava, muito mais parecida com a minha à época.
Acho que já deixei claro o quanto eu era apaixonado por ela no passado. Ela não era bonita nem feia, tinha o tipo de rosto que se perde na multidão sem ser notado. Filha de pai negro e mãe branca, era morena e tinha o cabelo liso levemente ondulado, quase até a cintura. Quando éramos adolescentes, ninguém a elegeria a mais bela da turma, mas dificilmente negariam que tinha seu charme. Eu a achava linda.
Mas ela, como eu, era o tipo de pessoa que tinha a auto-estima no fundo do poço. Como eu, também cresceu em um lar bem humilde. Também colecionou desilusões amorosas. E, como todo mundo já sabe, isso te transforma em um alvo perfeito para relacionamentos abusivos. O namorado dela, assim como a minha namorada à época, era muito bonito e manipulador. E ela achava que ele era a única pessoa que gostava dela, o único que lhe daria atenção. E isso fez com que, por anos, ela suportasse tudo que aconteceu entre eles. Traições, brigas, mentiras, chantagens, ameaças de abandono, ciúmes doentios. A história deles dois era tão parecida com a minha história com minha primeira namorada que eu fiquei assustado. Só que, diferente de nós, eles casaram. Eles colocaram um filho no mundo.
Ele só piorou com o nascimento da criança. Ele não era mau com o filho, ela dizia. Era um pai carinhoso, inclusive. Mas o pouco amor e bondade que ele tinha por ela transferiu-se todo para a criança. Vivia para o trabalho, para o filho e para os amigos.
“A gente chegou a ficar sem se falar por meses”.
“Morando na mesma casa e sem se falar?”.
“Sim. Nem bom dia. Nada. Eu me sentia um fantasma”.
Na contramão dele, ela dobrava-se para dentro de si própria. Abandonou a faculdade para cuidar do filho enquanto o marido formou-se com seu apoio fiel. Vivia para o filho e tinha seus problemas conjugais menosprezados pela família. “É coisa de garoto, ele vai melhorar”. “Homem quando acaba de ter filho é sempre assim”. “Vai passar”. Mas não passou, só piorou. As traições recorrentes evoluíram para uma equação desequilibrada de álcool e uma amante fixa no trabalho que ele sequer fazia questão de esconder. Ele anunciou que ia deixá-la, convenceu-a de que era um bom negócio vender o apartamento que eles haviam comprado. Racharam o dinheiro e ele foi viver a vida. Ela voltou a morar com a mãe, agora viúva.
O filho, nitidamente a coisa mais importante daquela mulher, tornou-se a única razão para viver. A pensão que a mãe recebia era baixa, o salário dela também não era bom. A pensão que o marido dava ajudava a manter uma vida extremamente funcional e sem luxos. As roupas eram das lojas mais baratas. Viagens não existiam. O único gasto relativamente alto era com uma escola particular de qualidade para o filho. O resto era sempre no básico.
Contei para ela sobre o meu sonho de casar cedo, de ter uma vida tranquila e estável. Falei que eu admirava muito a vida que ela escolheu no começo, que era a vida que eu queria ter vivido. A grama realmente é mais verde no jardim do vizinho, ao que parece.
“Mas a sua vida parecia tão tranquila, tão perfeita”.
“A minha?”.
“A sua namorada naquela época era uma menina tão bonita, eu lembro dela. Loira, bonita de corpo. Até lembro que ela fazia medicina e ainda era dançarina. Eu achava ela linda, perfeita. E você… você era sempre tão fofinho. Carinhoso e atencioso com todo mundo. Inteligente pra caralho, nem estudava e tinha as notas mais altas em tudo. Todo mundo gostava de você, todo mundo queria ser seu amigo e você nem se esforçava para isso”.
“Eu não lembro disso…”.
“Porque você não se achava bom. Você tinha 16, 17 anos e sentava para conversar de igual para igual sobre cinema e livro com uns professores de 40 e poucos anos. Você parecia fluente conversando com os professores em inglês e espanhol enquanto a gente tentava chegar perto disso. Passou no vestibular de primeira. Você não percebia, mas você era o queridinho de todo mundo. Você não era o garoto malhado bonitão, você era o garoto charmosinho e inteligente que todo mundo gostava. Eu gostava de você também. Gostava mesmo, de verdade. Eu tinha uma paixãozinha por você. Mas eu achava que eu não tinha a menor chance. Eu achava que eu merecia o meu namorado. Que eu era feia, ruim. Que ele estava certo em me falar aquelas coisas”.
“Eu era completamente apaixonado por você”, eu respondo. “Eu pensava em você todo dia”.
Engraçado como as pessoas se veem de maneira tão diferente. Eu me definia de três formas quando a conheci: eu sou gordo, eu sou feio, eu moro num dos bairros mais pobres e violentos da cidade. No dia seguinte, de manhã, eu olharia minhas fotos de 12, 14 anos atrás e me surpreenderia com quem eu via ali. Eu era bonito, só um pouco acima do peso. Com 16 anos, eu já era o barbado da turma antes de barba ser coisa hipster. Na foto do colégio, uma das últimas do terceiro ano, eu parecia tão dono de mim, tão no controle. Eu tinha aquela cara de inteligente e rebelde. Por dentro, eu era completamente diferente. Inseguro, assustado, sem auto-estima alguma e com uma namorada abusiva.
São sete e meia e a noite já começa a cair no horário de verão. Educadamente, uma das atendentes nos indica que a galeria onde o café funciona vai ser fechada em breve. Eu pago a conta e nós ficamos meio perdidos, sem saber o que fazer. Ela ainda tem os olhos inchados, eu também. Os funcionários da loja nos olham de forma surpreendentemente carinhosa, não sei o quanto eles escutaram do desabafo.
Saímos em silêncio do café, ela atendeu a uma ligação da mãe. Minha esposa estava fora do estado e só voltaria dali a alguns dias, então eu estava bem relaxado em relação às horas.
“Não sei se você precisa voltar para a casa por causa do Hugo, mas tem um bar aqui perto que é bem vazio a essa hora. A gente pode sentar pra conversar”, eu digo.
“A gente tem mais coisa para conversar?”. Ela pergunta sorrindo, não vejo nenhum traço de mágoa no seu rosto.
“Claro que tem. Doze anos não se resolvem em duas horas”.
Fomos para um bar pequeno ali perto, um que eu costumava frequentar nos tempos de faculdade. Nos tempos em que eu pensava nela e não me achava capaz de tê-la. Ele pouco havia mudado de 12 anos para cá: a mesma atmosfera que fazia dele aconchegante e levemente depressivo ao mesmo tempo. Era um bar das antigas, com azulejos portugueses azuis e poucos frequentadores. O atendimento era excelente e o preço razoável para a região, mas aquela estética de 40 anos atrás parecia espantar os frequentadores mais jovens. Os poucos que iam lá, no entanto, eram fiéis. Como eu fui no passado.
Nos sentamos no fundo do bar vazio em plena terça-feira e desnudamos nossas vidas um para o outro. “Eu quero saber quem você é”, eu comecei. “A gente falava sobre um monte de coisa, mas eu não sei nada sobre você. Sobre sua família. Sobre sua infância, quem você é. E você não sabe nada sobre mim”. Ela riu. “Você é maluco”. “Não, só quero te conhecer melhor. Compensar por ter sido um babaca há doze anos”.
A conversa foi agridoce. O que mais me assustava era como tínhamos origens semelhantes, desde a família até a criação. Os dois criados no subúrbio do Rio de Janeiro, os dois de famílias humildes que, por conta da pobreza e da necessidade de contar uns com os outros, permaneciam unidas. Primos de terceiro ou quarto grau criados próximos, filhos que casavam e formavam suas famílias nas casas dos pais. Assim como a minha família, a dela investiu tudo que tinha para que ela estudasse em um colégio particular até que eventualmente ela passou para uma escola pública de elite.
Nossas duas famílias tinham essa estranha tradição carioca que mistura catolicismo, umbanda e espiritismo, um sincretismo religioso que eu, como ateu, tenho dificuldade em entender - mesmo tendo crescido nesse meio. Assim como eu, achava-se feia, indesejada na adolescência. Isso fez com que rapidamente trocasse o mundo cor de rosa pelo rock e pelos livros. No meu caso, eu acrescentaria videogames e RPG, mas o resto não mudava muito.
“Na minha escola, tinha muita patricinha, muito playboy. Eu não aguentava eles. E eles sabiam que eu era pobre, então não se misturavam muito comigo”. Contei a minha versão para ela. “Eu gostava de ler, RPG e jogar videogame. Mas eu era muito pobre, fodido mesmo. E isso tudo era coisa de gente com grana na época, né? Então eu acabei ficando amigo dos nerds na época por conta dos gostos comuns. Eu tive sorte, demoraram a perceber que eu era pobre. Eu tenho toda a pinta de gente com grana, essa cara de europeu que engana. Quando perceberam que eu era duro, foi só no segundo grau. Ali eu já era um pouco mais cascudo, tinha bons amigos”. Ela não.
Era tudo tão igual que, em dado momento, eu parei de falar que havia sido igualzinho comigo. Eu esperava ela terminar a parte dela. Falava a minha. E intercalávamos nossas histórias, os dois surpresos com as semelhanças. Provavelmente a grande diferença era a vida dela após ter o filho e abandonar a faculdade. Ela trabalhava em uma repartição pública onde tinha 20 anos a menos do que a segunda funcionária mais nova, se afastou dos amigos. Era estranho conversar com ela. Não usava redes sociais praticamente, apenas para trocar mensagens com parentes distantes e mostrar fotos do filho para eles. Não via séries, não tinha Netflix - só novelas. Não conhecia bandas novas, não era muito de ir ao cinema. Era uma sensação estranha, mas parecia que boa parte da vida dela tinha parado em 2006 ou 2005. Os hábitos dela e poucos hobbies pareciam os de uma pessoa de 50 e poucos anos.
Me doeu imaginar o que poderia ter sido, o que poderíamos ter feito juntos, como poderíamos ter sido bons um para o outro. Pensei na minha esposa, que tem um perfil familiar radicalmente diferente do meu. Ela vem de uma família de classe alta, só com engenheiros e funcionários públicos de elite. O mundo dela era muito diferente do meu, tão diferente que às vezes me assustava. Famílias que não se falavam e que, mesmo endinheiradas, brigavam por herança e cortavam laços de vida por conta de bens que eles não precisavam. Todos católicos ou evangélicos, sem exceção. No máximo um ou outro ateu escondido no armário, como eu.
Essa diferença nos causava estranhezas, pontos de atrito que me surpreendiam. Quando eu elogiava a decoração de uma festa, ela falava do preço e da empresa que a produziu. Ela sentia uma obrigação social em aparecer em eventos familiares ou do círculo social deles, de ser e parecer uma boa esposa. Eu só queria estar onde eu estava afim e quando eu estivesse afim, nunca vi a família como uma obrigação social. Eles discutiam herança entre irmãos com os pais bem vivos, nós nos preocupávamos em fazer companhia à minha mãe quando meu pai morreu. Já era meio subentendido que abriríamos mão de qualquer coisa e deixaríamos tudo para minha mãe, tendo direito ou não.
Havia uma preocupação com patrimônio, normais sociais e aparências que, por muitas vezes, me assustavam. Muitas vezes ela parecia desgastada ou enojada com isso também, mas fazia porque alguém na família tinha que fazer, porque era tradição, porque sempre foi assim. Eu assistia àquilo atônito, impressionado como uma família tão numerosa quanto a minha - com literalmente dezenas de primos e tios até de terceiro grau que moravam em um mesmo bairro - era tão mais simples e unida do que uma dúzia de endinheirados que pareciam brigar por coisas fúteis.
Ela, que estava ali do meu lado, não. Tudo que ela me contava soava como uma cópia fiel da minha família, apenas em escala ligeiramente menor. Pensei em como as coisas seriam simples ao lado dela, despreocupadas, tranqulas. Que eu não passaria a vida sendo julgado pela família da minha companheira como o ex-pobre com pinta de hipster que conseguiu ganhar algum dinheiro, mas não tem muita classe nem é muito cristão, como nos últimos anos.
As palavras que saíram da boca dela depois de uns dois ou três copos de cerveja poderiam muito bem ter sido lidas do meu pensamento. “Você acha que a gente teria sido um bom casal? Que a gente ia se dar bem?”.
“Não tem como saber”, eu respondi. “Mas a gente pode imaginar”. E a gente começou a brincadeira mais dolorosa da noite, imaginando como seria se tivéssemos ficado juntos 12 anos atrás.
“Eu jogava videogame para caralho, você ia se irritar. E eu ia te pentelhar para jogar comigo”, eu comecei.
“Eu gostava de videogame, só não jogava muito. Eu ia te arrastar para show da Avril Lavigne e da Pitty, você não ia gostar”.
Eu sorri. “Eu não tenho nada contra as duas”.
“Britney e Justin Timberlake também”.
“Porra, aí você já tá forçando a barra, amor tem limite”.
Falamos sobre meus primeiros estágios, sobre como eu era maluco e fazia dois estágios e faculdade ao mesmo tempo. Saía de casa às cinco da manhã e voltava às onze da noite. Tudo para conseguir ter uma grana legal, já que na minha área os estágios eram ridiculamente baixos. Ela falava sobre a rotina de estudos para concurso, sobre como foi difícil conciliar a faculdade - que ela eventualmente abandonou por causa do filho - com o recém-conquistado emprego público. Eu falava do meu início de carreira, que foi bem melhor do que eu jamais imaginara, como subi rapidamente. Como eu achava estranho ganhar a grana que eu ganhava - que não era nada extravagante, garanto - mas meus hábitos simples faziam com que eu mal gastasse metade do salário. Ela falava da depressão que tomou conta dela ao perceber que estava num emprego extremamente burocrático e ineficaz, deixando-a incapaz de buscar outras alternativas. Falamos sobre a morte dos nossos pais, que parecem ter conspirado para falecer no mesmo ano.
Em algum momento, a cabeça dela repousou no meu ombro. Eu não soube o que fazer. Pensava apenas na minha esposa, em jamais ter traído ela nem nenhuma outra mulher. Foi aí que eu percebi que ela chorava e, novamente, eu chorei também.
“É engraçado a gente ter saudade de algo que a gente não teve”, eu disse, lembrando de um livro que eu li há muito tempo.
“Acho que a gente seria um casal do caralho”, ela disse, com um inesperado sorriso entre as lágrimas.
“Ou talvez a gente se detestasse e desse tudo errado, a gente nunca vai saber”.
“A gente nunca vai saber”, eu repeti, mentalmente. Como um vírus, a ideia se espalhou dentro de mim rapidamente. “Eu posso fazer uma diferença na vida dessa mulher, na vida do filho dela, na própria família dela. Eu posso ter uma vida mais tranquila ao lado dela, sem essas picuinhas de família rica. Minha esposa pode encontrar um homem muito melhor para ela. Um cara rico, cristão e que tenha a classe e pose que a família dela tanto quer. Isso pode acabar bem para todo mundo”.
Mas não podia. Lá no fundo, eu sabia que não podia. Eu tinha quase uma década de história com minha esposa. Eu tinha um casamento plenamente feliz atrapalhado por alguns poucos problemas familiares e inseguranças minhas. Tínhamos uma química ótima, gostos parecidos para livros e filmes, nos dávamos bem na cama. Valia a pena jogar aquele relacionamento tão bom e funcional - algo que me parece cada vez mais raro hoje em dia - por uma aventura fugaz? Um remorso do passado? Em um relacionamento com uma estranha que eu estava voltando a conhecer havia algumas horas?
“Você nem a conhece”, dizia a cabeça. “Ela é igual a você”, dizia o coração.
No fim das contas, eu segui a cabeça. Conversamos até quase dez da noite. Pegamos um Uber e fiz questão de deixá-la em casa, um prédio pequeno em um bairro abandonado do subúrbio. Quando o carro parou, ela se demorou um pouco do meu lado e, por impulso, eu segurei a mão dela. Ela me encarou assustada e ansiosa. Eu pensei em beijá-la, em ligar o foda-se e jogar tudo para o alto ali mesmo. Mas eu só desci do carro com ela na rua deserta e caminhamos juntos para dentro do prédio, sem saber exatamente o que a gente estava fazendo. Pedi para o motorista me esperar e disse que depois acertava uma compensação com ele.
“Eu vi o seu Facebook. Você é casado com uma mulher linda. E inteligente. Você não vai me trocar por ela. Nem eu quero acabar com o seu casamento”.
“Você acha ela linda e inteligente?”.
“Você sabe que ela é”.
E então eu desabafei. Falei que passei as últimas semanas reavaliando meu casamento e meu futuro, encarando a foto dela no Facebook de tempos em tempos. Que meu coração quase parou quando encontrei-a pela primeira vez. Que eu gostava de tudo nela. Da dedicação como mãe, da simplicidade, dessa aura de pessoa correta que ela exalava sem fazer esforço, desse espírito suburbano e familiar que ela tinha. Dos olhos dela, tão animados no passado e tão tristes agora. De como eu estava me segurando para não beijá-la naquele dia todo.
“Você é linda. Eu sei que você se acha feia, eu sei que você acha que ninguém vai se interessar por você. Mas você é uma mulher foda, e nem preciso subir para saber que você é uma mãe foda, uma filha foda. Não deixa a vida passar. Eu tenho certeza que tem mais gente que, igual a mim, já percebeu isso em você e não sabe como falar. Não faz de novo a mesma coisa que a gente fez lá atrás. Eu só queria que você soubesse disso porque eu acho que você merece ser muito mais feliz do que você é agora. E você não tem ideia de como você me deixou maluco esses dias todos. Eu sou bem casado com uma mulher linda sim, mas só de encontrar você eu tive vontade de jogar tudo para o alto”.
Foi um monólogo mais longo do que eu esperava. De novo, ela chorou. Dessa vez, eu contive as lágrimas. O abraço que partiu dela foi um dos melhores e mais tristes que já ganhei na minha vida. Havia ali uma história de amor não vivida, saudades de uma história que jamais colocamos no papel, de um mundo que nunca existiu. Ela me apertou forte e eu sentia minhas mãos tremerem.
Encostamos as laterais do rosto um do outro, aquele prenúncio de um beijo adiado. E que tive que usar todo auto-controle do mundo para manter adiado. Me afastei, olhei nos olhos dela, sorri e fui embora. Quando o Uber saiu, ela ainda estava parada na portaria e minhas mãos ainda tremiam.
Eu não sei se essa história acaba aqui ou não. Mas eu tenho quase certeza que sim. Algum dia eu vou contar tudo isso para a minha esposa, mas vou esperar esse sentimento morrer primeiro. Eu conheço ela o suficiente para saber que, em um bom momento, ela não ficaria triste com essa história. Eu até consigo imaginar a reação dela, repetindo a frase que ela me diz desde que a gente casou. “Eu te conheço. Você não vai me trair com alguma gostosona oferecida por aí. Se alguma coisa acontecer, você vai se apaixonar por alguém. Eu te conheço, você é romântico. Mas a gente se resolve”.
Quando cheguei na minha casa vazia, sentei e escrevi quase tudo isso de uma tacada só. Sem revisão, sem pensar muito. Eu acho que eu poderia escrever dezenas de páginas sobre os detalhes da conversa, mas isso aqui já está longo demais. Antes de dormir, eu vejo que tenho uma mensagem no Whatsapp.
“Foi muito bom encontrar você”.
Toda aquela tentação de falar algo mais grita dentro de mim, se debate.
“Foi bom te ver também :) “.
Por via das dúvidas, coloquei o celular em modo avião e suspirei. “Eu tô feliz ou triste?”, me perguntei. Parece uma pergunta simples e relativamente objetiva, mas eu não soube responder. Eu custei a dormir, com medo de sonhar com ela. Quando eu acordo no dia seguinte e me preparo para ir ao trabalho, a impressão que eu tenho é de que tudo foi um sonho. Vê-la, reencontrá-la, chorar, abraçá-la.
E, como quando a gente acorda de um sonho triste, eu volto a viver minha vida normal para esquecer. Hoje tem reunião com cliente. À noite, preciso pegar minha esposa no aeroporto.
submitted by tombombadil_uk to brasil [link] [comments]


2017.11.11 07:06 tombombadil_uk Today I fucked up: a estranha sensação de reencontrar um amor do passado 12 anos depois

A quem possa interessar, agora tem uma parte 2: https://www.reddit.com/brasil/comments/7cq1rk/today_i_fucked_up_a_estranha_sensa%C3%A7%C3%A3o_de/
Reencontrei uma pessoa muito querida para mim ontem de maneira completamente randômica. É um caso tão bizarro que não sei para quem desabafar, já que esse "relacionamento" que eu mantive há 12 anos não chegou a ser sequer um relacionamento e nunca contei dele para ninguém. Esperei a esposa dormir, sentei e escrevi um conto. Fiz uma trash account para jogar isso aqui.
Desculpem o desabafo longo, mas foi o lugar que encontrei para soltar isso.
xxxx
Aconteceu no fim de tarde de uma sexta-feira quente. A cidade impaciente se esvaía para casa nos ônibus e metrôs lotados, a onda de calor de novembro apertando o passo de quem só queria o refúgio caseiro. Saí do metrô da esperando encontrar uma noite fresca, mas fui pego no pôr-do-sol atrasado do horário de verão. Passara o dia fora do escritório em um evento extremamente técnico e só queria desligar a cabeça. Estava bem vestido, mais do que o de costume. As calças jeans escuras relativamente novas, a blusa social quadriculada que usava quando queria se arrumar – mas nem tanto – e a bolsa de couro recém-comprada para ter um ar mais profissional nesses eventos externos.
Me sentia bonito, sentia até que minha barba reluzia ao pôr-do-sol. Ridículo, né? Um pouco de contexto: sempre fui uma pessoa acima do peso e havia acabado de registrar a perda de 32 quilos e indo à academia diariamente. Como qualquer um que foi gordinha a maior parte da vida, eu estava me sentindo muito bem. Por isso, peço que sejam indulgentes comigo. Até porque esse fato é relevante para a história.
Caminhando pela praça em direção ao ponto do ônibus que me levaria para casa, me desvencilhava dos ambulantes peruanos e suas bolsas falsificadas, dos entregadores de folhetos do sex shop de uma galeria ali perto – frequentadores fiéis da praça desde que eu me entendo por gente e provavelmente responsáveis por um número considerável de árvores derrubadas para fazer seus folhetos nessas décadas – e dos estudantes, que tanto pareciam carecer de pressa. Naquela multidão de gente, me surpreendi por notar alguém que me mirava de cima a baixo logo à minha esquerda.
No começo, não me virei. Julguei ser uma daquelas ilusões que a gente tem no canto do olhar. Três, quatro, dez passos. A pessoa continuava ao meu lado e me olhando atentamente, não sobravam dúvidas. Virei o rosto e dei de cara com ela.
Eu gosto muito de ler, mas não sei se já achei na literatura algum trecho que mostre o quão chocante é reencontrar um amor perdido depois de tantos anos. Ela entrou pelos meus olhos e me atravessou por inteiro, trouxe de volta as memórias que já julgava mortas e enterradas havia muitos anos. Por dentro, eu me senti despedaçado, como se tivesse estourado um balão há muito tempo comprimido no canto do subconsciente. Eu lembrei das manhãs que passava com ela, do dia em que ela me deu um CD do Linkin Park, de quando fui embora sem me despedir e não cortei o relacionamento – tosco, incompleto e desajeitado – que nós mantínhamos.
O choque seria menor, certamente, se não houvesse uma tristeza tão cristalina em seus olhos. Ela rapidamente virou o rosto e apertou o passo, mas eu fiquei ali atrás com aquela imagem fixa na memória. Me permiti olhá-la por inteiro enquanto avançava à minha frente. Não por desejo, mas por saudade. Saudade da pele morena, do cabelo ondulado que lhe descia pelas costas da mesma forma que fazia há mais de uma década. E saudade dos olhos de arteira que ela tinha, dos quais eu só lembrei depois de vê-los tão melancólicos. Nos conhecemos no fim do segundo grau e começo da faculdade, não éramos mais crianças. Mas os olhos dela sempre me encantavam: pareciam os olhos de alguém que está ansioso e animado ao mesmo tempo, o olhar de criança que está prestes a fazer merda e sabe disso.
Por sorte, ela seguia na mesma direção do ponto de ônibus e eu a seguia com meus olhos. Não tive forças para cumprimentá-la, a vergonha falou mais alto. Ela também não quis fazê-lo e foi fácil entender porque. Ela envelhecera bem mais do que eu esperava. Tínhamos a mesma idade, eu e ela, mas lhe daria uns dez anos a mais do que eu sem pensar duas vezes. Ganhara peso, o rosto e o cabelo pareciam maltratados, a roupa era desleixada. Nenhum julgamento aqui, quem não teve seu dia de ‘foda-se o mundo’ que atire a primeira pedra. E mesmo assim fez o meu coração parar. E mesmo assim eu só queria correr para perto dela e dizer oi.
Eu e ela éramos criaturas estranhas. Nós dois vínhamos de famílias de classe baixa, nós dois estávamos em um curso de inglês pago por algum parente mais rico, nós dois começamos a trabalhar cedo, nós dois éramos excelentes alunos, nós dois fazíamos parte daquela onda de rock do começo dos anos 2000 que incluía Linkin Park, Evanescence, System of a Down e algumas outras bandas que estavam na moda na época.
Começamos a nos aproximar quando contei para ela que queria fazer XXXXX (carreira omitida). Ela também queria, por isso passamos o ano anterior ao vestibular trocando dicas, comentando provas e trocando confidências no fim da aula de inglês. Eu fazia questão de levá-la para casa todos os dias após o fim da aula de inglês e nós acabamos ficando muito próximos. Só tinha um detalhe: eu e ela éramos comprometidos. Eu namorava uma colega de escola há pouco menos de um ano e era perdidamente apaixonado por ela, apesar dela ter se tornado uma companheira extremamente abusiva ao longo do relacionamento e termos nos separado. Ela namorava um amigo de infância, tinha tudo para crer que ela também era apaixonada por ele e estava prestes a se casar dali a um ano e meio. Sim, ela casou-se ridiculamente cedo, com apenas 20 anos e teve dois filhos logo depois, pelo que eu ficaria sabendo mais tarde por acidente. Nesse período de cerca de dois anos, mantivemos esse relacionamento estranho que eu sequer sei como classificar. Recém-chegados no curso achavam que éramos namorados, apesar de nós nunca nos abraçarmos, andar de mãos dadas ou coisas do gênero. Os alunos que estudavam conosco há mais tempo e já tinham visto nossos verdadeiros namorados achavam apenas que colocávamos chifres neles. Nós nunca fizemos absolutamente nada. Não houve beijo, não houve cabeça no ombro, não houve mãos dadas. Fisicamente, nunca houve nada. Mas havia ali uma cumplicidade quase criminosa, olhares mais longos do que o necessário, um quase que jamais se tornava realidade. Talvez esse carinho fosse fruto de sermos tão parecidos e termos origens tão similares.
Mas tudo acabou sem aviso. Em um intervalo de meses, sofri um duplo revés. O parente que pagava o meu curso descobriu que estava com câncer e seus custos com saúde aumentaram drasticamente. Eu já estava trabalhando e podia pagar, mas perdi o emprego no mesmo semestre. Tudo aconteceu em um intervalo de um mês, em janeiro, e eu não pude voltar ao curso para o semestre seguinte. Era uma época diferente. As redes sociais não eram tão onipresentes (eu tinha meu bom e velho Orkut, ela achava rede social bobeira) e não havia Whatsapp. E algo em mim insistia em dizer que era errado ligar para ela, que era ir longe demais. Então eu sumi da vida dela sem aviso, sem dar satisfação. Simplesmente não me matriculei no curso e jamais toquei no assunto com ninguém, nem com meus amigos mais próximos. Doeu – e doeu muito – mas eu deixei a vida sedimentar tudo aquilo. Eu ganhei peso, meu relacionamento com aquela namorada não andava bem. Naquele momento, eu só queria sumir e não ver mais ninguém. E aquela saída brusca acabou me ajudando nesse sentido. Some aí a baixa auto-estima. Eu nunca achava que uma mulher estava dando bola para mim até elas praticamente se jogarem no meu colo. Quase todas as mulheres com quem saí tiveram a iniciativa ou deixaram bem claro que queriam alguma coisa, sempre fui lerdo ao extremo para flerte. E perdi grandes oportunidades por conta disso, mas isso é passado e não me causa dor, só uma risadas. Exceto nesse caso.
De lá para cá, soube pouco dela. Descobri por um grande acaso que ela teve dois filhos logo após o casamento (Orkut de amigo de um amigo de um amigo que estava no chá de bebê do segundo filho dela, rs). Também vi que ela não passou no vestibular para a carreira que escolhemos, senão seria mais fácil encontrá-la. O curso era bem concorrido e ela não passou duas vezes. Na terceira, já estava com filho e casada, então não avançou. Esbarrei com ela enquanto estava grávida do primeiro fazendo compras no mercado com o marido. Nesse dia, eu estava acompanhado de vários amigos, completamente bêbado e indo para uma festa na região boêmia da cidade. Trocamos um olhar meio constrangido nesse dia, nada mais. Tinha uma mágoa bem nítida nos olhos dela, mas eu ainda relutava em acreditar que eu significava muita coisa para aquela menina. Eu só iria me tocar anos mais tarde que eu, apesar de estar fora dos padrões de beleza, recebia sim atenção do sexo oposto.
Agora avançamos 12 anos no futuro. Cá estou eu, perdido, olhando para uma mulher que teve um relacionamento tão tênue e tão profundo comigo ao mesmo tempo. Ela parou e entrou em uma loja de sapatos em frente ao ponto de ônibus para o qual eu estava indo e, mesmo pela vitrine, trocamos alguns olhares demorados. Eu queria chegar perto, eu queria dizer oi, eu queria chamá-la para jantar. Mas, no auge dos meus 30 e poucos anos, eu me senti um adolescente envergonhado de 17. E uma voz bem clara ecoava na minha cabeça: “você é casado, você tem um casamento muito feliz e você nunca traiu sua esposa e nenhuma das suas outras ex-namoradas. Você não vai começar a fazer merda agora”.
E se eu fosse dar um oi, serviria de quê? Requentaria um amor adolescente que provavelmente só faria mal a nós dois? Reviveria a mágoa daquele adeus decepado, sem dar a menor satisfação? Tudo isso só transformava minhas pernas em âncoras que meus olhos teimavam em ignorar. Ela saiu da loja e, pela primeira vez naquele fim de tarde, me olhou de forma direta. Sem aquela desviada de olhar que vem um par de segundos depois, sem aquela sensação de acidente ou constrangimento. Nos encaramos por um período que, me perdoem o clichê, parecia uma eternidade. Eu sabia que aquela era a minha deixa para chegar mais perto, mas eu não fui. Ela me deu as costas e sumiu na multidão, provavelmente para sempre. Meu coração ficou ali perdido, sem saber como era possível lembrar-se de tanta coisa em tão pouco tempo.
Sentado no ônibus de volta para a casa, as memórias vinham em atacado. O dia em que ela fez uma cópia do Hybrid Theory e me deu de presente de aniversário. A vez em que eu ganhei de um amigo meu um chaveiro do Nirvana e, quando ela foi pegar para ver, sem querer seguramos as mãos por uns segundos que pareciam compreender toda a história da humanidade. Quando levei meu discman para o curso e a gente escutou junto um álbum do System of a Down no ano em que lançaram Hypnotize e Mezmerize.
É triste a vida ser tão curta, eu concluí. Tem tanto amor para se viver, tanta história que poderia se escrita a dois que nós nunca vamos conhecer. Tanta coisa inesperada que acontece num fim de tarde sem propósito, tanta coisa que a gente deixa de perceber e que acontece porque você notou alguém no canto do seu olho. E eu, muito provavelmente, nunca mais vou vê-la. Se eu tivesse a oportunidade de reviver esse momento, eu não sei o que eu faria. Chamava para tomar um café e pedia desculpa por nunca ter falado que eu era perdidamente apaixonado por ela e que vivia um relacionamento conturbado com uma companheira abusiva, mas que a baixa auto-estima me impedia de agir? Diria que havia praticamente esquecido que ela existia nos últimos 10 anos, mas que bateu um misto de culpa e carinho enormes tanto tempo depois? Não acho que nada disso valeria a pena.
submitted by tombombadil_uk to brasil [link] [comments]


ADULTA PROVANDO ROUPA DA SESSÃO INFANTIL/ADOLESCENTE Moda infantil, loja de roupas infanto juvenil no Bras - shopping Carnot t Kids ROUPAS QUASE GRÁTIS no WALMART AMERICANO ADOLESCENTES MELHORES LOJAS DE ROUPA EM ORLANDO ROUPAS TUMBLR BARATAS! ONDE COMPRAR? Bela Almada MENINA E MOÇA-MODA TEEN DO 06 AO 16 Moda de Adolescente Roupas de crianças - de 1 à 16 anos - Vlog bras - YouTube Adolescentes são apreendidos por furtar roupas em lojas de Uberlândia

500+ Melhores Ideias de Roupas femininas para adolescentes ...

  1. ADULTA PROVANDO ROUPA DA SESSÃO INFANTIL/ADOLESCENTE
  2. Moda infantil, loja de roupas infanto juvenil no Bras - shopping Carnot t Kids
  3. ROUPAS QUASE GRÁTIS no WALMART AMERICANO ADOLESCENTES
  4. MELHORES LOJAS DE ROUPA EM ORLANDO
  5. ROUPAS TUMBLR BARATAS! ONDE COMPRAR? Bela Almada
  6. MENINA E MOÇA-MODA TEEN DO 06 AO 16
  7. Moda de Adolescente
  8. Roupas de crianças - de 1 à 16 anos - Vlog bras - YouTube
  9. Adolescentes são apreendidos por furtar roupas em lojas de Uberlândia

Gente vídeo novo mostrando roupas de crianças de 1 à 16 anos la na ferinha da concórdia. Espero que gostem, Compartilhe o vídeo com as mamães e papais que aj... AMOR CRESCENTE MODA PRÉ ADOLESCENTE ROUPAS MODERNAS ATÉ O NÚMERO 18 ... Conheça as roupas femininas que estão na moda e como importar roupas de marca - Duration: 3:06. Helane e Luciano ... ROUPAS QUASE GRÁTIS no WALMART AMERICANO 😱 ADOLESCENTES Simplesmente Alice. ... LOJA de 1 DÓLAR ... 12:12. Comprando Roupas no Walmart - Custo de Vida em Orlando - Duration: 11:24. Canal da ... Provando roupas da sessão infanto juvenil de uma loja... Eu, né, uma super adulta, que todo mundo confunde com uma adolescente... De tanto que falam resolvi ver se as roupas de menina mais nova ... Espero que tenham gostado! 💕 -- NÃO SE ESQUEÇAM DE DAR LIKE NO VIDEO E DE SE INSCREVER ♡ ♡ - ⭐️ REDES SOCIAIS ⭐️ • Instagram: https://www.instagram ... Moda infantil, loja de roupas infanto juvenil com preços bem legais, ótima dica para quem gostaria de revender roupas infantis com qualidade e preço justo - ... Moda infantil, loja de roupas infanto juvenil no Bras - shopping Carnot t Kids - Duration: 11:15. Dicas do Beto 25,112 views. 11:15. TUOR NA LOJA DE R$10 REAIS NO BRÀS / SP - Duration: 6:00. Reportagem de Cássia Bomfim com imagens de Max Germano para o Chumbo Grosso - 11/12/2012 ... Adolescentes são apreendidos por furtar roupas em lojas de Uberlândia TV Vitoriosa ... Adolescente ... ROUPAS TUMBLR BARATAS! ONDE COMPRAR? Bela Almada ... SOLAR Music Rights Management, IMPEL, LatinAutor - SonyATV, LatinAutor - UMPG, UMPI, UNIAO BRASILEIRA DE EDITORAS DE MUSICA - UBEM, Los Cangris ...